Criança

Cabeça no jogo! Conheça os 5 benefícios que o vôlei pode trazer para o seu filho

A gente conversou com o Andre Heller e ele falou sobre como o esporte pode ajudar as crianças

Cinthia Jardim

Cinthia Jardim ,filha de Luzinete e Marco

O Andre contou tudo sobre o esporte (Foto: Getty Images)

Criado desde 1895 por William George Morgan, nos Estados Unidos, o vôlei é um dos esportes que trabalha além da saúde física, a mental e também o desenvolvimento das crianças. O ex-atleta brasileiro, André Heller, dedicou 24 anos da vida à prática e hoje, devido à paixão por esse mundo, ele ensina crianças e adolescentes com o projeto social na Escola Voleibol André Heller, em Campinas, São Paulo, e também com o Viva Vôlei em Lavras, Minas Gerais.

Hoje, ele é aposentado, mas conquistou títulos como Campeão Olímpico em Atenas, em 2004, e Mundial no Japão, em 2006, pela Seleção Brasileira de Vôlei. André mostra ainda a importância da paixão, autodesenvolvimento e liderança no esporte. Em uma entrevista exclusiva, o ex-atleta contou quais são os benefícios que o vôlei pode trazer para a vida do seu filho! Olha só:

  • 1. Ele melhora a saúde física e mental das crianças

No voleibol, por se tratar de um esporte que envolve um vasto repertório motor e de forma coletiva, a “alfabetização” motora e o desenvolvimento do domínio sócio afetivo são os grandes protagonistas desta modalidade.

  • 2. Desenvolve personalidades

No voleibol a criança terá possibilidade de experimentar uma modalidade coletiva, onde terá contato com informações e valores inerentes à vida em sociedade. Compartilhar e transformar, direitos e deveres, vitórias e derrotas, diversidade e frustrações são aspectos trabalhados de forma direta e indireta no voleibol, que contribuem de forma relevante na jornada de aprendizagem e construção da personalidade dos alunos.

O esporte pode ajudar até na personalidade do seu filho (Foto: Getty Images)

  • 3. O “ganhar” e o “perder” são para a vida toda

Mostramos para os alunos que eles devem e podem assumir a responsabilidade pela própria jornada e que as vitórias e derrotas fazem parte do caminho como indicadores que colaboram para possíveis ajustes e melhoras. A consciência da realidade e o entendimento que no caminho ganharão e perderão, eles levam para a vida inteira.

  • 4. E o trabalho em equipe também

Durante o processo de aprendizagem ressaltamos de forma verbal e prática que o bem comum (coletivo) sempre está acima de qualquer benefício individual. Normas e regras bem definidas e claras, atividades simples como um aquecimento lúdico envolvendo o valor “cooperação” como uma estafeta, até o jogo de mini vôlei onde todos devem tocar na bola para o ponto ser válido, podemos trabalhar de forma direta a importância da equipe.

  • 5. A qualidade de vida melhora muito

Na literatura encontramos como padrão a faixa etária de 6 a 8 anos como possibilidade de início do “brincar” de voleibol. Porém entendo que qualquer esporte aplicado de maneira adequado ao estágio motor do praticante pode e deve ser praticado pois contribui sempre de maneira global à qualidade de vida e educação de quem pratica.

Leia também:

Nasceu! Esposa de Fabi Alvim, ex-jogadora de vôlei, dá à luz primeira filha

Sheilla Castro, do vôlei, mostra o rosto das filhas gêmeas pela primeira vez

Neto de Zé Roberto emociona o avô e o Brasil em eliminação do vôlei feminino