Como ensinar matemática para seu filho: 11 ideias lúdicas de atividades simples e fáceis

Desafiadora para uns, motivo de dor de cabeça para outros: a matemática pode ser uma matéria complicada na escola, mas existe no dia a dia da família e não precisa ser encarada como a vilã. Aqui, te damos dicas de atividades lúdicas que vão melhorar a relação do seu filho com essa disciplina

Resumo da Notícia

  • Só de ouvir falar em matemática você e seu filho ficam arrepiados? Calma, a gente te ajuda
  • Por mais que essa matéria seja difícil na escola, os números e contas fazem parte do dia a dia da família
  • Por isso, para ensinar matemática para seu filho, lembre-se de ser lúdica e mostrar como ela está presente na rotina dele
  • Aqui, te mostramos dicas de como ensinar matemática de maneira simples e divertida

Quando o assunto é matemática, é muito comum ver dois cenários opostos: crianças que lidam com números com facilidade e nem parecem que precisam estudar para passar em uma prova, e outras que ficam arrepiadas só de ouvir o nome da disciplina escolar. E, se o filho enfrenta uma dificuldade, os pais certamente sentem na pele também.

-Publicidade-

Mas, para todo enigma existe uma solução. A matemática pode não ser a matéria mais fácil do mundo e exigir bastante, mas é importante lembrar que ela está presente em todos os lugares, não só nas salas de aula. Na hora de ir fazer compras no mercado, durante uma brincadeira, jogando videogame… são vários os momentos em que lidamos com os números – sem nem ao menos perceber que estamos lidando com a tão temida matemática.

A ideia é incorporar a relação com os números na rotina do seu filho de maneira natural. Assim, quando ele estiver diante de uma tarefa complicada ou estudando para uma prova da escola, ele já estará acostumado a lidar com subtração, multiplicação e vários outros tipos de conta. Aqui, a gente te mostra vários caminhos mostrando como fazer a criança olhar para a matemática sem medo. Pode vir que a dica é boa mesmo!

A primeira dica para ensinar matemática para o seu filho é ser lúdica e inserir o assunto naturalmente no dia a dia da família
A primeira dica para ensinar matemática para o seu filho é ser lúdica e inserir o assunto naturalmente no dia a dia da família (Foto: Shutterstock)

A primeira dica a gente já adianta por aqui: seja lúdica. Abra mão de métodos mais sérios, como planilhas e listas,  isso pode acabar com o interesse natural do seu filho no assunto. Em vez disso, use atividades divertidas para ajudá-lo a desenvolver uma base no entendimento do assunto. As crianças são naturalmente curiosas e quanto mais os pais estimularem esse sentimento em casa, melhor.

Não existe certo e errado

Por mais que a matemática seja uma ciência exata, os conceitos de certo e errado não precisam ser vistos como regras. Os problemas, equações e operações têm um único resultado, mas existem diferentes caminhos para chegar a esse resultado. Além disso, é preciso lembrar que para chegar a um número, mesmo que não seja o resultado esperado, houve a construção de um raciocínio e isso vale muito. Portanto é sempre bom ter em mente que matemática é uma disciplina de exatas, mas não é engessada.

Entenda os motivos das notas vermelhas

A gente fica sem entender quando o filho tira uma nota baixa na escola. E não adianta exagerar na bronca achando que essa atitude irá ajudá-lo a tirar boas notas no futuro. Ao invés de gritar, pergunte o que está acontecendo com ele. Fazendo isso será mais fácil saber se foi falta de estudo, se ele não entendeu a matéria ou se não se esforçou para ir bem na prova. Vale lembrar que pode acontecer de o problema não ser necessariamente a matemática e sim alguma questão existencial ou um problema na escola.

Cuidado com comentários negativos sobre a matemática: por mais difícil que a matéria seja para você, seu filho pode ter tendências a ser bom no assunto, então fique atento para não influenciá-lo negativamente
Cuidado com comentários negativos sobre a matemática: por mais difícil que a matéria seja para você, seu filho pode ter tendências a ser bom no assunto, então fique atento para não influenciá-lo negativamente (Foto: GettyImage)

Não coloque a matemática como vilã

Já é comum nas escolas dizerem que a matemática é muito difícil e que precisa ter cuidado com ela. As palavras têm poder, por isso, fique atento à maneira como você introduz a sua opinião sobre essa matéria. Muitas crianças podem ser influenciadas negativamente por comentários desse tipo. Os pais devem transmitir confiança para o filho encarar a matemática como uma disciplina como qualquer outra.

Insira a matemática no dia a dia

Proporcione estímulos diários para os seus filhos envolvendo assuntos que fazem pare do cotidiano dela relacionados a somar e subtrair. E se achar que o seu filho mandou bem, você pode recompensar ele com um presente, um passeio ou um abraço. Reforços positivos fazem muita diferença, principalmente se essa é uma questão que gera insegurança ou medo na criança. Carinho e apoio nunca são demais!

Dê apoio e espaço para conversar

Mostre para o seu filho de que ele  não está sozinho, ajude, converse, faça ele perceber que é capaz de resolver qualquer problema. Estimular a matemática durante a infância e adolescência do seu filho faz toda a diferença para que no futuro ele não venha a ter “bloqueios” com a matemática.

Brincadeiras para ensinar conceitos numéricos, geometria, espaço e mediação para o seu filho

  • Conte objetos em contextos cotidianos: conte o número de botões na camisa do seu filho ao abotoá-los, a quantidade de laranjas que ele ajuda a colocar na sacola do supermercado, os garfos necessários para arrumar a mesa ou o número de escadas que você vai subir. Comece com quantidades pequenas (não mais do que cinco) e adicione alguns conforme o tempo.
  • Coloque pequenos objetos em uma fileira: reúna algumas moedas e peça ao seu filho para contá-las. Depois que ele tiver contado, reorganize-as em um círculo, em fila ou espalhe-as e peça novamente para que ele conte novamente.
  • Encontre objetos que combinem: se o seu filho tiver dificuldades com a correspondência de um para um, encontre objetos que combinem bem, como colheres e garfos, xícaras e pires e peça a ele para juntá-los.
  • Jogue jogos de tabuleiro que envolvam a contagem: jogos simples são ótimos para ajudar as crianças a reconhecer números em um dado e contar movimentos.
  • Identifique formas em sua casa: faça um jogo simples de encontrar formas básicas ao redor da casa. Como, por exemplo, retângulos em interruptores de luz, quadrados em vidraças, círculos em relógios e assim por diante. Peça para que ele te explique como faz para diferenciar cada forma pelas suas características definidoras e não definidoras.
  • Fale sobre o posicionamento das fotos em um livro: ao ler uma história, use a linguagem espacial para falar sobre o posicionamento das imagens. Faça perguntas relacionadas como: “Onde está a lua? Está em cima da árvore?” ou tamanhos de referência, perguntando: “O hipopótamo é maior que o macaco? Qual animal é maior? Qual animal é menor?”.
  • Meça enquanto você cozinha: encha os copos de medida com água ou farinha para apresentar seus filhos ao conceito de números inteiros e frações. Faça perguntas como “Você pode encher meia xícara? Você pode encher uma colher de chá?”
  • Adivinhe o peso das coisas no supermercado: a próxima vez que você for ao supermercado, pegue dois itens diferentes das prateleiras e pergunte ao seu filho qual deles é mais pesado: “É a lata de sopa ou a caixa de bolachas?”.
Tudo aquilo que diz respeito à matemática dá um nó na cabeça do seu filho? Saiba que isso pode ser sinal de discalculia
Tudo aquilo que diz respeito à matemática dá um nó na cabeça do seu filho? Saiba que isso pode ser sinal de discalculia (Foto: Shutterstock)

Acho que meu filho tem discalculia, e agora?

Distâncias pequenas que parecem longas, dificuldade para fazer contas, não saber ler números. Tudo aquilo que diz respeito à matemática dá um nó na cabeça do seu filho? Saiba que isso pode ser sinal de discalculia. Ela afeta de 3 a 6% da população mundial e consiste na dificuldade em reconhecer, calcular e lembrar fatos numéricos. O problema pode andar de mãos dadas com a dislexia, distúrbio mais conhecido, que atrapalha a leitura e a escrita.

“É um transtorno de neurodesenvolvimento e de aprendizagem. A pessoa começa a dar alguns sinais já na infância, mas fica mais evidente na fase de escolaridade,  época em que a criança realmente começa a ter um contato mais estruturado com números”, explica Luciana Brites, psicopedagoga e mãe de Helô, Gustavo e Maurício. Trata-se de um problema causado por uma malformação neurológica. “Essa dificuldade de aprendizado não acontece a partir de uma deficiência mental ou má escolarização. As crianças não têm problema de inteligência ou QI, mas para o raciocínio matemático, por exemplo, ela não tem noção de proporção e posição numérica”, explica a especialista.

Para diagnosticar a discalculia, é necessário realizar uma avaliação multidisciplinar com o envolvimento de especialistas nas áreas de psicopedagogia, neuropsicologia e neuropediatria. “Os testes são qualitativos e quantitativos, mas o mais importante é o diálogo entre a equipe para fazer o diagnóstico”, explica a especialista.

Não existe cura para a discalculia, mas sim mecanismos para ajudar a criança a se desenvolver da melhor forma, apesar de suas restrições. O tratamento é somente psicopedagógico, com exceção de casos com transtornos associados, como o TDAH, que requerem medicações. É baseado em adaptação curricular e suporte psicopedagógico para a criança. O diálogo com a escola deve estar sempre presente — professores e coordenadores precisam compreender a dificuldade e fazer modificações no conteúdo, para facilitar a aprendizagem da matemática. Não existe cura para esta condição e o portador deverá aprender a lidar com o transtorno.

Para continuar lendo a matéria

Coloque seu e-mail aqui. Boa leitura!