Criança de 4 anos descobre diagnóstico de câncer raro após sentir dores intensas nas costas

Arianna foi diagnosticada com Neuroblastoma, uma doença que afeta cerca de 100 crianças por ano

Resumo da Notícia

  • Criança foi diagnosticada com câncer raro infantil
  • Ela ficou sabendo após sentir dores nas costas
  • A mãe abriu o coração sobre o assunto

Abigail Solieri, de 33 anos, abriu o coração ao compartilhar um momento desafiador que está enfrentando com a filha, Arianna, de 5 anos, que foi diagnosticada com Neuroblastoma, um câncer raro infantil.

-Publicidade-

“É um pouco difícil de aceitar – estamos quase com 10 semanas e ainda está muito fresco”, contou a mãe. “Ainda não entendo muito bem como chegamos aqui”, disse. A doença afeta cerca de 100 crianças ao ano.

A princípio, os pais acreditaram ser apenas uma dor nas costas comum, por conta da nova cama que haviam comprado para a filha. No entanto, as dores foram se intensificando com o tempo até descobrirem o que realmente estava acontecendo.

Depois de um tempo, a menina começou a indicar que a dor havia passado para a parte inferior das costas, o que deixou Abigail ainda mais preocupada. Por conta disso, Arianna foi encaminhada para o hospital, onde foi diagnosticada com a doença.

Criança de 4 anos é diagnosticada com câncer raro
Criança de 4 anos é diagnosticada com câncer raro (Foto: Reprodução / Abigail e Chris Solieri)

Diversos exames foram realizados ao decorrer desse tempo para descobrir o que estava acontecendo. Houveram diversas suspeitas, até descobrir o Neuroblastoma. “Foram apenas as piores horas de nossas vidas”, relembrou a mãe. “Foi horrível, porque passou de literalmente nada para quase uma semana depois, isso”, disse. Até então, a doença havia se espalhado pelos medula e ossos da noite para o dia.

Arianna iniciou o ciclo de quimioterapia e diversos outros procedimentos para a curar o câncer. Os médicos afirmaram que seria necessário até preservar os ovários da criança. “Ela ficará praticamente infértil depois de todo o tratamento pelo qual está passando”, contou a mãe ao The Sun.  O plano de tratamento de Arianna pode durar de 18 a 36 meses e outro efeito colateral potencial é surdez permanente ou deficiência auditiva. Além disso, a taxa de sobrevivência é de 40-50% e há 60% de chance do câncer retornar, diminuindo a taxa de sobrevivência para 5%.

Apesar disso, a família afirmou estar com muitas esperanças de que tudo fique bem novamente. Eles também deram o apelido de “Mulher Maravilha” a Arianna. “Ela ama a Mulher Maravilha e sempre que ela tem procedimentos ou algo assim, ela gosta de usar sua roupa de Mulher Maravilha ou Super Mulher porque ela se sente mais forte”, contou.