Crianças do Complexo da Maré escrevem cartas para a Justiça pedindo menos violência

Foram entregues mais de 1,5 mil desenhos

 

-Publicidade-
“Gostaria que mudasse a forma que eles entram na comunidade. Tenho pavor de escutar o barulho do helicóptero, as crianças se escondem atrás dos cômodos da casa com medo, a forma de bater na nossa residência já é assustadora” (Foto: Reprodução / Redes da Maré)

A violência no Complexo de favela da Maré, na Zona Norte do Rio de Janeiro, está muito crescente e vem atingindo todos os moradores, inclusive as crianças. Foram feitas mais de 1,5 mil cartas de crianças à Polícia do RJ pedindo melhorias na segurança. As cartas foram produzidas com desenhos de helicópteros sobre casas e policias atirando em moradores, além de conterem escritas de históriastristes.

As cartas pedem a volta de uma Ação Civil Pública (ACP) que regulamenta as operações policiais no local. A ação foi suspensa em junho de 2019. Em contrapartida, a coordenadora de comunicação da ONG Redes da Maré, Dani Moura, explicou que o projeto começou com uma reunião com os integrantes da organização, logo após eles entraram em contato com moradores explicando o que significa a Ação Civil Pública e os motivos da importância de mostrar o que eles passam na Maré.

-Publicidade-

“O objetivo é tentar sensibilizar os juízes, mostrando o que os moradores sentem e a vivência que temos. Ter grupos ilícitos e criminosos não pode ser uma desculpa para que os moradores da Maré não tenham direito à segurança pública”, explicou.

 

(Foto: Reprodução / Redes da Maré)

“Um dia eu estava no pátio da escola fazendo educação física. De repente, o helicóptero passou dando tiro para baixo. Aí, todo mundo correu para o canto da arquibancada. Quando passou o tiro, a gente correu para dentro da escola até minha mãe me buscar. Quando deu mais tiro, eu estava em casa”, escreveu uma criança.

“Eu não gosto do helicóptero porque ele atira para baixo e as pessoas morrem”, colocou.

 

(Foto: Reprodução / Redes da Maré)

“Meu irmão morreu por causa dos policiais”

“Boa tarde. Eu queria que parassem as operações porque muitas famílias serão mortas. Agora, eu estou sem quarto porque vocês destruíram na operação. Todo mundo na minha escola chora, meu irmão morreu por causa dos policiais e eles bateram no meu primo. […] Muito obrigado por ter lido minha carta”, explicou a situação.

(Foto: Reprodução / Redes da Maré)

“O ruim das operações nas favelas é que não dá para brincar muito. E também morrem moradores nas comunidades. Também têm muita violência” , colocou uma criança junto com desenhos explicativos.

“Uma vez deu tanto tiro que me escondi atrás da maquina de lavar”

“(O que) Eu tenho a dizer é que as operações matam muita gente. E essas operações são muito tristes. Uma vez minha mãe saiu para ver minha vó e deu tanto tiro que me escondi atrás da máquina de lavar. É isso que eu tenho a dizer”, pediu outra.

Leia também:

Vai virar lei! Divórcio pode ser imediato em caso de violência doméstica

Desabafo: “Se por um lado não sofri violência obstétrica, por outro sofri a violência emocional”

Ator de Thor se engaja em campanha para combater violência infantil

-Publicidade-