Cuidado! Criança Segura alerta sobre riscos de acidentes de fogo com álcool etílico 70° em casa

Esse item estava proibido desde 2002, mas a Agência Nacional de Vigilância Sanitária suspendeu durante a quarentena para suprir a demanda da população por álcool gel. A organização Criança Segura é contra a medida

Resumo da Notícia

  • Desde 2002 proibido, a Anvisa liberou a comercialização do álcool líquido 70%
  • Isso aconteceu para suprir a demanda do mercado, uma vez que o álcool gel não está dando conta
  • Esse produto pode causar queimaduras, saiba como garantir a segurança das crianças em casa
Veja as recomendações para garantir a segurança das crianças (Foto: Getty Images)

Com o aumento de casos de coronavírus, há duas semanas, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou por 180 dias a comercialização de álcool etílico líquido 70º em mercados, lojas de conveniência e qualquer outro tipo de comércio que queira vender o produto. Ele estava proibido desde 2002, mas ação foi tomada, porque a quantidade disponível de álcool gel hoje não é suficiente para suprir a demanda da população. Porém, para usar esse produto de forma segura, é preciso se atentar a alguns pontos. 

Com a venda livre do álcool líquido 70º, muitas pessoas terão fácil acesso a esse material e, portanto, as chances das crianças se envolverem em acidentes com fogo também aumentam. Como lembra Wagner Contreras, conselheiro do Conselho Federal de Química e gerente de fiscalização do Conselho Regional de Química de São Paulo, padrasto de Thales e pai do Thomas, o álcool só deve ser usado como forma de prevenção quando não há a possibilidade de lavar as mãos com água e sabão

 

Segurança em primeiro lugar

Tanto o álcool gel quanto o álcool etílico 70º são inflamáveis e portanto, podem causar queimaduras em que os utiliza. Uma vez que, nesse período de quarentena, a família está passando mais tempo dentro de casa, as crianças se tornam um alvo. Diante disso, a organização Criança Segura, que se mostra contra a decisão da Anvisa, fez recomendações para garantir a segurança dos mais jovens nesse período:

  • Permaneça em casa o máximo possível;
  • Ensine as crianças a lavarem bem as mãos, com água e sabão, de forma adequada;
  • Não deixe fósforos, isqueiros e outras fontes de calor e energia ao alcance das crianças;
  • Caso tenha álcool em gel em casa, deixá-lo fora do alcance de crianças. E depois de manuseá-lo, não ter contato com fontes de chamas como do fogão e isqueiros, por exemplo;
  • O uso do álcool em gel só é necessário quando não há a possibilidade de lavar as mãos, como quando se está na rua. Vale lembrar que ele também é inflamável. Além disso, em caso de ingestão do álcool em gel ou do líquido, os danos à saúde da criança são os mesmos. Podendo levar até a um coma alcoólico;
  • Não compre o álcool líquido 70º, mas caso seu uso seja imprescindível em casa, ele deve ser guardado em frascos menores e armazenado em local alto e fora do alcance das crianças.

 

Álcool gel caseiro, nem pensar!

O álcool gel só deve ser usado quando não é possível lavar as mãos (Getty Images)

É isso que destaca Wagner, que justifica que na indústria, existe todo um cuidado e orientação de alguém habilitado para validar a eficácia. “Se uma pessoa faz em casa, além do risco de queimadura, pode causar irritação na pele”, completa. Ele desmente a eficiência de “fórmulas supostamente mágicas”, com gelatina e gel de cabelo no combate ao coronavírus: “Pelo contrário, quando utiliza matérias primas não adequadas e alguém que não domina a técnica, corre o risco de causar o efeito oposto”, ou seja, ao invés de conter a proliferação de microorganismos, colaborar com o seu crescimento. O álcool para veículos também é contraindicado, por não ter o mesmo grau de pureza necessário para essa finalidade.

 

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!