Depressão na infância: sinais podem ser sutis, mas reconhecer é fundamental

A doença tem causas genéticas e ambientais

Quanto antes for detectado, melhor (Foto: Getty Images)

Depressão. A doença do século XXI não afeta apenas os mais velhos. Desde cedo, vários fatores podem colaborar para o desenvolvimento da doença. Os sinais são sutis, mas reconhecê-los – o quanto antes – têm um impacto fundamental para o tratamento e cura. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o índice mundial de crianças de 6 a 12 anos diagnosticadas com depressão cresceu de 4,5% para 8% nos últimos dez anos. A grande questão é que apenas 20% delas são diagnosticadas e recebem o tratamento adequado para a condição. 

O assunto merece atenção especial, porque pode levar a um sério quadro que se estende para a adolescência, fase adulta e assim em diante. A neuropediatra, especialista em Transtorno do Espectro Autista e Saúde Mental Infantojuvenil Dra. Deborah Kerches enfatiza que os mais novos, muitas vezes, têm dificuldade em expressar os sentimentos com clareza ou até nomear essas emoções, então alerta: “Devemos estar atentos aos sinais que podem não ser tão evidentes assim”. 

Em alguns casos, a situação não é tratada com a devida importância, pelos pais pensarem que é apenas uma fase e passará em breve. Em outros por achar que é um exagero. Independentemente da alternativa, o resultado é prejudicial para o seu filho, que terá um impacto na qualidade de vida. Para te ajudar a reconhecer os sintomas, a especialista destaca alguns sinais de alerta para a depressão em crianças:

  • Isolamento
  • Perda de interesse e prazer em brincar
  • Perda de interesse em ir para a escola
  • Perda de interesse em explorar o ambiente
É importante falar sobre isso (Foto: Getty Images)
  • Distúrbios de alimentação (comer compulsivamente ou ficar sem apetite)
  • Sintomas físicos, como dor abdominal, cefaleia, dor no peito, cansaço, entre outros
  • Prejuízos no sono (como insônia, acordar durante a noite, pesadelos, medo de ficar sozinho no quarto
  • Choro excessivo e/ou sem motivo aparente
  • Medos
  • Humor instável (com explosões de raiva e agressividade, por exemplo)
  • Mudanças significativas de comportamento (por exemplo, crianças que antes eram sociáveis e calmas passam a brigar na escola, ou aquelas que eram mais inquietas ficam introspectivas e caladas)
  • Dificuldades para aprender
  • Baixa autoestima
  • Dificuldade para socializar
Depressão é uma doença (Foto: Getty Images)

Já nos adolescentes, além dos itens já listados, há outros sinais. Confira abaixo:

  • Sensação de culpa
  • Falta de empatia
  • Perda de interesse em atividades antes prazerosas
  • Problemas com autoridade
  • Alterações de peso
  • Alterações na forma de se apresentar (como vestimentas e/ou má higiene pessoal)
  • Automutilação
  • Mudança de grupos de amizades
  • Pensamentos pessimistas 

 

“Os pais precisam estar atentos, próximos, e manter o diálogo, sempre com muito respeito. Essas são ferramentas eficazes para identificarmos ‘pistas’ ou sinais de alerta”, completa a Dra. Deborah. Vale ressaltar que é uma doença e por isso, você não deve hesitar em buscar uma ajuda especializada. A saúde mental é influenciada por diversos fatores e, assim, é difícil que a depressão seja consequência de apenas um único. A médica explica: “A doença prevê uma interação entre fatores genéticos e ambientais, como cyberbullying e exposição excessiva às telas e conteúdos inadequados ou violentos”. 

Caso perceba esses sintomas, procure um especialista, como psicólogo (Foto: Shutterstock)

Leia também:

Você pode identificar se seu filho está sofrendo bullying e depressão

Saiba por que as crianças estão sofrendo com depressão e ansiedade cada vez mais cedo

Por que as crianças sofrem de depressão e problemas de saúde mental?