“Desconheço bullying com ele”, diz menina de 12 anos esfaqueada por colega em sala de aula

O caso aconteceu no último dia 22 de março e, após receber alta, Anna Beatriz Nascimento conversou com o Fantástico sobre o momento que foi atacada e o responsável pelo momento

Resumo da Notícia

  • "Desconheço bullying com ele", diz menina de 12 anos esfaqueada por colega em sala de aula
  • O caso aconteceu no último dia 22 de março e, após receber alta, Anna Beatriz Nascimento conversou com o Fantástico sobre o momento que foi atacada e o responsável pelo momento
  • Entenda o caso

No dia 22 de março, uma menina de 12 anos foi esfaqueada por um colega dentro de sala de aula em São Paulo. Uma semana depois do ocorrido e após receber alta da internação, Anna Beatriz Nascimento falou sobre o momento em que foi atacada e esclareceu a relação que mantinha com o estudante responsável pela violência. A conversa foi feita pelo Fantástico.

-Publicidade-

Segundo Anna, a situação foi completamente inesperada e nem ela entendeu, no momento em que recebeu uma facada, o que estava acontecendo. “Eu sinto como um soco na hora da adrenalina. Eu achava que era qualquer coisa, menos uma faca. Eu achava que era soco. Ele estava com um olhar desesperado. Muito desesperado. Os olhos muito arregalados, e fez isso comigo”.

Para além disso, Anna ainda esclareceu que tinha uma relação amigável com o colega, e justamente por isso ficou chocada com o ocorrido. “Eu desconheço bullying com ele. Ele era um aluno muito tranquilo, ele não falava com ninguém, não conversava com ninguém”.

Anna foi encaminhada às pressas ao hospital após ter sido esfaqueada
Anna foi encaminhada às pressas ao hospital após ter sido esfaqueada (Foto: Reprodução/ Fantástico)

Os pais de Anna também conversaram com o Fantástico sobre os ataques à filha. “Ele sabia exatamente o que ele estava fazendo. Mas, por outro lado, é uma criança de 13 anos. Então, a gente tem que, eu acho que a sociedade como um todo, o estado, pai e mãe, acho que a família tem que acolher, acho que ele precisa de um tratamento”, comentou Adriano Nascimento da Silva, pai de Anna.

A mãe da estudante de 12 anos de idade, Glady Xavier Nascimento, também se pronunciou. “Ele é uma criança, ele também é uma vítima, e eu me preocupo muito. Me preocupo com o que pode acontecer com ele mais tarde. Ele precisa ser cuidado, ele precisa ser acolhido, precisa ser tratado. Eu poderia estar pensando de outra forma se a minha filha não estivesse aqui. Mas, graças a Deus, ela está aqui. E ele tem uma mãe. E eu sou mãe”, disse ela.

O aluno em questão foi encaminhado para a Fundação Casa após os ataques. O pai do menino não quis gravar entrevista, mas confirmou que o filho sempre foi um jovem muito tranquilo até o fim do ano passado, quando “começou a ter um comportamento mais adulto”.