Dia da Mentira: seu filho vai mentir em algum momento e você precisa saber como lidar com isso

No dia 1º de abril, abordamos esse assunto para mostrar que é uma prática comum dependendo da idade. Saiba o que fazer em cada caso para evitar esse comportamento

Resumo da Notícia

  • O seu filho vai mentir algum dia para você
  • Mas é importante entender que, até certa idade, não tem maldade nesse comportamento
  • Saiba como lidar quando isso acontecer de acordo com a idade da criança
  • E lembre-se: fantasia e mentira são coisas diferentes!
Seu filho irá mentir e você precisa estar preparado para agir (Foto: reprodução)

Nesse 1º de abril, mais conhecido como Dia da Mentira, aproveitamos a data para falar sobre esse assunto e o comportamento das crianças. Não dá para fugir, seu filho vai mentir em algum momento da infância. Provavelmente, ela vai aparecer pela primeira vez de maneira tímida, como quando seu filho diz que escovou os dentes quando claramente não o fez. Assim como os adultos, crianças mentem, geralmente, para evitar problemas, impressionar ou proteger outra pessoa, ou ser educado. Por isso, uma das principais dicas é: lembre-se de que você, mãe ou pai, é um dos primeiros modelos na vida do seu filho. Demonstrar honestidade é o início para vencer esse tipo de comportamento.

“As crianças entram no mundo da mentira por volta dos 2 e 3 anos de idade”, explica a educadora Camila Queres, formada em letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e do canal CriaMinha. Mas existe explicação, nessa fase a mentiras vêm para substituir aquilo que elas não conseguem lembrar ou por uma falha de interpretação. Durante a primeira infância mentir não significa falta de caráter. Conforme vão crescendo e tendo mais relações sociais, precisam de ajuda para saber diferenciar pequenas mentiras – aquelas para não magoar os outros – da honestidade.

 

Cada idade com a sua mentira

Victoria Talwar, professora associada ao Departamento de Educação e Aconselhamento Psicológico da Universidade McGill, em Montreal, nos Estados Unidos afirma: “Todas as crianças mentem. Ensiná-las desde cedo como resolver situações para que não precisem mentir, pode ser a solução para criar um filho que fale a verdade”. Veja como encarar essa prática de acordo com a idade do seu filho:

  • 2 e 3 anos: Por conta das habilidades de fala ainda em formação, nessa fase as crianças não têm ideia de onde começa e termina a verdade. E isso porque elas têm dificuldade em diferenciar o que é realidade, fantasia, sonho e medo, segundo Elizabeth Berger, psiquiatra infantil e autora do livro Raising kids with character – ou, em português, “Criando crianças com caráter”. Nessas situações, tente uma resposta que estimule a dúvida, algo como: “é mesmo?”. Assim, você também evita a bronca. Até essa faixa, as crianças são novas demais para serem punidas por mentiras, mas os pais podem começar a encorajar a sinceridade.
  • 4 e 5 anos: Já aos 4 anos, elas começam a verbalizar mais e podem dar respostas óbvias e diretas – como dizer “não” ao ser questionada se bateu no irmão, por exemplo. Use todas as oportunidades que tiver para introduzir o assunto, mas lembre-se que o ideal é sempre aproveitar a memória fresca e conversar logo depois de uma mentira. Nesse diálogo, seja firme e diga frases como não me parece que você está dizendo a verdade” ou “você tem certeza de que isso aconteceu?”. Depois de ouvi-lo, deixe bem claro que você não está convencido com o que ele disse e ensine-o. Evite confrontar o seu filho ou caçar a verdade, a não ser que a situação seja séria e exija mais atenção.
É importante agir de acordo com a idade (Foto: Shutterstock)
  • 6 a 8 anos: Nessa fase seu filho contará mais mentiras para testar até onde pode chegar, especialmente em relação à escola – aulas, lição de casa, professores e amigos. Inventar as histórias pode ser fácil, mas mantê-las será difícil. “As restrições e responsabilidades geralmente aumentam nessa idade e como consequência, pode ser que as crianças mintam com maior frequência para amenizar as cobranças”, Elizabeth explica. Mas, não se preocupe, a maioria das mentiras são fáceis de serem detectadas. Nesses casos, converse abertamente com seu filho e continue investindo em histórias, desenhos e filmes que remetem à importância da honestidade. Mas, melhor do que elogiar a sinceridade do seu filho, é ser um bom exemplo, já que nessa fase ele será muito observador.
  • 9 a 12 anos: As crianças nesse período estão trabalhando duro para construir a autoestima e a própria identidade, por isso, também estão mais sensíveis às repercussões de suas ações e devem sentir mais sensação de culpa ao mentir. Longas e francas conversas sobre o assunto definitivamente são necessárias, já que pequenas mentiras com o objetivo de poupar o sentimento de outras pessoas ou para ser educado são aceitáveis. Quando situações como essas aparecerem, seja direto com seu filho para evitar que ele fique confuso. Mas lembre-se também que nem sempre ela dirá a verdade e pensar um pouco sobre o motivo que ela teria para mentir pode te ajudar a evitar essa atitude. “A relação entre pais e filhos em que as crianças se sentem confortáveis para falar e trocar experiências, consequentemente resulta em mais verdades”, conclui Victoria.

 

O que fazer quando a criança mentir?

Existem várias formas para trabalhar a mentira de maneira positiva no crescimento do seu filho. Aqui vão algumas dicas para tornar esses momentos mais fáceis:

  • Nunca chame seu filho de mentiroso. Em vez disso, tente escutá-lo com atenção para conseguir ajudá-lo depois;
  • Explique as consequências de uma mentira com exemplos práticos, sempre tentando manter um canal de comunicação aberto entre vocês;
  • Não grite e nem pressione-o com interrogatórios. Ele se sentirá acuado e o medo poderá fazê-lo mentir outra vez;
  • Estimule a criança a sempre se colocar no lugar do outro;
  • Tente compreender o significado implícito na mentira;
  • Na escola, os professores nunca devem expor os alunos que mentem na frente dos colegas.

 

Era uma vez…

A fantasia é muito importante para as crianças e faz parte do desenvolvimento, por isso é fundamental saber diferenciar isso de uma mentira. A O seu filho precisa usar a imaginação e a confusão pode desestimulá-lo. Mentir é de nossa espécie: a negação e o direito ao segredo são constitutivos na formação da subjetividade humana. A mentira pode encobrir problemas graves, por isso nós, como pais, desejamos “cortar o mal pela raiz”. 

A imaginação é fundamental para o desenvolvimento da criança (Foto: reprodução)

Antes dos 7 anos seu filho não mente com intenção ou maldade, ele constrói uma realidade própria, que faz parte da imaginação. O problema é quando a criança começa a crescer e usa o mesmo recurso para mentir. As histórias continuam sendo para ilustrar acontecimentos, mas agora explicam por que ele tomou uma bronca na escola, por exemplo. Quando a idade de diferenciar o que é real e o que é fantasia chega e mesmo assim seu filho continua inventando, é bom ficar de olho, já que ele pode estar usando a mentira para manipular ou conseguir as coisas. Claro que, como para tudo, há exceções. Mas, em todo caso, é importante observar o que isso pode significar.

O que chamamos de fantasia é a transgressão da criança para um mundo paralelo – uma forma como ela enxerga a realidade. Assim, se vestindo de super-herói ou contando uma história do amigo imaginário, ela tem um recurso para lidar com o real. A fantasia dá instrumentos para a criança conseguir significar, dar sentido e sensações, desejos, anseios às situações. É a fantasia que constitui repertório do que e como a criança vê o mundo. Já a mentira, no sentido de trapaça, disfarce, negação, é realizada por crianças um pouco maiores, a partir de 7 anos — quando  interiorizam regras sociais, aprendem os binarismos (bom x ruim, justo x injusto) e têm mais acesso a recursos linguísticos e argumentação. Nessa idade, a criança poderá contar histórias para levar vantagem – ou seja, mentir.

 

Como saber que a criança está mentindo?

Preparamos um teste para te ajudar a identificar quando seu filho está mentindo ou não

Pergunte se ele fez “a coisa”.

  • Age na defensiva e não faz contato visual
  • Repete partes da pergunta que você fez na resposta para ganhar tempo e pensar
  • Toca no rosto, mexe nas orelhas, nariz ou cabelo
  • História confusa: daquelas que começam na casa da avó e terminam no apartamento da tia
  • Começa a chorar antes da bronca e diz que você não confia nele
  • Coloca a mão na cintura, balança as pernas, faz movimentos incomuns
  • Pisca demais ou fica com os olhos esbugalhados
  • Não para quieto enquanto tenta se explicar
  • Conta detalhes demais da história
  • Faz pausas longas ou fala muito rápido

ATÉ 3 PONTOS:

Relaxe! Todas as crianças fazem isso. É só uma fase

ATÉ 5 PONTOS:

Tenha uma conversa séria sobre mentir. Sem pressão, mas esse é um momento importante

MAIS DE 6 PONTOS:

Siga as nossas dicas e tenha aquele papo reto com confiança. Seu filho precisa entender que mentir é errado

 

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!