Criança

Dia de Finados: escola precisa estar preparada para conduzir a criança em situação de luto

Não são só os pais que têm um papel importante nesse período. Os educadores também podem ajudar o aluno a lidar com a perda.

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

(Foto: reprodução / Getty Images)

Passar por uma perda não é fácil para ninguém e se até os adultos têm dificuldade para entender e enfrentar essa situação, imagine uma criança. É importante que a rede de apoio dos mais novos esteja preparada para confortá-los nesse momento. E isso, pelo contrário do que imaginam, não é se fazer de forte e fingir que nada está acontecendo, mas mostrar as próprias fragilidades e compartilhar tristezas para que ela também se sinta confortável para fazer o mesmo.

Você é o primeiro e principal exemplo do seu filho e quando legitima a dor permite que ele se sinta mais à vontade para assumir o que está sentindo. Mas você não é o único responsável por dar esse colo para a criança, a escola desempenha um papel fundamental, conduzindo de forma correta nesse momento. É importante explicar o ocorrido e deixar que ela se expresse. 

A valorização do choro e tristeza é essencial para atravessar o luto e entender que tudo é uma fase e vai passar. De acordo com a psicanalista Fátima Geovanini, autora do livro infantil A Casa Preta, que trata sobre luto infantil, um diálogo franco com a criança é o melhor caminho para amenizar o processo de perda. Não é algo simples, mas tanto na escola quanto em casa, os adultos não podem ter medo de tocar no assunto. 

“É fundamental a prática da escuta, o acolhimento, dar espaço para que a criança expresse o que está sentindo, até para gerar empatia entre os colegas”, afirma a coordenadora do Ensino Fundamental Anos Iniciais do Colégio Marista Champagnat, Juliana Christina Rezende de Souza. Saber lidar com as frustrações é uma característica importante para os pequenos e quanto antes aprenderem, melhor. 

Você não conseguirá proteger o seu filho de tudo e é importante que ele encontre as próprias formas de superar. Por isso, a coordenadora dá algumas dicas de como os educadores podem ajudar as crianças no processo de luto:

  • Construir um ambiente no qual a criança se sinta segura para contar com os pais nos momentos de dificuldade. “Em um momento de perda, poder falar sobre os sentimentos ajuda a criança no processo de elaboração”, opina. 
  • Manter o contato com a escola. A parceria entre o colégio e a família é essencial durante esse processo. “Os profissionais da escola que cuidam e convivem com a criança podem ajudar no processo”, completa. 
  • Dialogar com a criança, pedir sua opinião e deixá-la confortável, pois todos passamos por mudanças e perdas durante a vida. Ela garante: “O diálogo é sempre importante e manter um canal de comunicação contribui para todos os envolvidos (adultos e crianças)”.
  • Conversar sobre a tristeza, a angústia, a ansiedade e o medo. É importante a criança entender esses sentimentos e que é possível superá-los. “Entender os sentimentos ajuda a criança a pensar e elaborar de alguma maneira o momento pelo qual está passando”, explica. 
  • Acolher a possível tristeza da criança, mostrar que os amigos são pessoas importantes na sua vida e que esse contato ajudará a vencer os momentos difíceis. “Quando as crianças se sentem acolhidas em seus sentimentos e o diálogo com os adultos que são referências para ela acontece da maneira mais ‘equilibrada’ possível dentro do contexto de perda, o processo de superação das possíveis dificuldades também acontece de maneira mais tranquila”, finaliza.

 

Com esse suporte, a criança se sentirá mais segura e confiante para seguir em frente, permitindo sentir toda a dor e tristeza desse momento, mas com a certeza e vontade de superar. No seu tempo. 

Leia também:

Escola não é só brincadeira: o papel do professor na educação durante a primeira infância

Inovação! Escola ensina alunos a meditarem antes das aulas para melhorar a concentração

Dinamarca ensina empatia para crianças nas escolas