“Ele é só uma criança”, diz pai de aluno que esfaqueou colega de classe em São Paulo

O pai escreveu uma carta de desculpas para a família da vítima e contou que não percebeu mudança de comportamento no filho

Resumo da Notícia

  • Um menino de 13 anos esfaqueou uma colega de classe na semana passada
  • A menina levou 8 facadas durante o intervalo, foi internada mas já recebeu alta
  • O pai do menino escreveu uma carta se desculpando com os pais da vítima

Um menino de 13 anos esfaqueou uma colega de classe na zona leste de São Paulo, na semana passada. O pai do menino escreveu uma carta para a família da vítima, Anna Beatriz Nascimento, de 12 anos, pedindo desculpas pela atitude do filho e que não havia percebido uma mudança de comportamento dele.

-Publicidade-

Na carta que o programa Fantástico, da TV Globo, teve acesso, o pai disse que o garoto é uma criança de “coração maravilhoso, super educado e amoroso”. A mensagem também afirmava que ele acredita em uma recuperação do garoto, por se tratar de uma criança que “age por impulso e muitas vezes sem pensar, sem comunicar e sem se abrir com os pais”.

“Venho em nome da minha família agradecer o carinho e a dedicação que vocês estão tendo com meu filho, mesmo sabendo que ele fez uma coisa muito errada, sei que ele tem um coração maravilhoso, é um menino super educado e amoroso; a única questão que precisa ser trabalhada é o seu comportamento de ser muito fechado, mas eu tenho fé em deus que ele terá uma nova oportunidade para melhorar essa questão, afinal ele é uma criança e sabemos que crianças agem por impulso e muitas vezes sem pensar, sem comunicar e sem se abrir com os Pais”, afirmou o pai.

Anna levou 8 facadas do colega de classe
Anna levou 8 facadas do colega de classe (Foto: Reprodução/Fantástico)

“Peço desculpas por não termos percebido qualquer alteração de comportamento, mas da forma mais sofrida aprendemos, e desejo que vocês possam ter a sensibilidade que não tivemos para juntos evitarmos situações como essa”, completou.

Anna levou 8 facadas durante o intervalo de duas aulas do Colégio Floresta, em São Miguel Paulista, na Zona Leste de São Paulo. Ela foi internada mas já teve alta, em entrevista com o Fantástico a menina disse que na hora dos golpes achava que tinha tomado um soco do menino e que se surpreendeu com a atitude e os motivos que levaram ele a cometer a violência.

“Eu desconheço bullying com ele. Ele era um aluno muito tranquilo, ele não falava com ninguém, não conversava com ninguém”, contou a estudante. Os pais de Anna acreditam que o colega da filha precisa de cuidados. “Ele sabia exatamente o que ele estava fazendo. Mas, por outro lado, é uma criança de 13 anos. Então, a gente tem que, eu acho que a sociedade como um todo, o estado, pai e mãe, acho que a família tem que acolher, acho que ele precisa de um tratamento”, disse Adriano Nascimento da Silva, pai de Anna.

“Ele é uma criança, ele também é uma vítima, e eu me preocupo muito. Me preocupo com o que pode acontecer com ele mais tarde. Ele precisa ser cuidado, ele precisa ser acolhido, precisa ser tratado. Eu poderia estar pensando de outra forma se a minha filha não estivesse aqui. Mas, graças a Deus, ela está aqui. E ele tem uma mãe. E eu sou mãe”, disse a mãe de Anna.