Criança

Em texto mãe defende que não são só os pais que podem chamar a atenção das crianças

Você concorda ou prefere fazer tudo sozinha?

Logo-Parents (1)
Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

De acordo com uma pesquisa da Today sobre disciplinar uma criança que não é sua, dos mais de 8.300 entrevistados, 52% concordam que não há problema nisso, enquanto 48% preferem lidar com esse trabalho por conta própria. Com base nisso, a escritora americana Jenna McCarthy publicou um texto interessante sobre o assunto. Vem ver:

“Estou exausta. Estou impressionada. Talvez eu não tenha visto ou, possivelmente, conseguido controlar meu filho. Mas independentemente das circunstâncias, se você o visse sendo malcriado, você me faria um favor e o alertaria?

Acho engraçado porque na minha época, quando algum pai via outra criança sendo rude, mesmo que não fosse seu filho, já era. Ele poderia repreendê-la e ai da criança que julgasse isso injusto.

‘A mãe de Johnny me obrigou a lavar a minha boca com sabão por chamar Johnny de idiota!’, a criança reclamava quando chegava em casa. ‘Você tem sorte de eu não estar lá. Eu teria feito você gargarejar com gasolina’, respondia meu pai. E não é brincadeira, meus pais realmente falavam isso.

Não me entenda mal: coloque um dedo em qualquer uma das minhas queridas crias que eu também vou encostar meus dedos em você. Mas quando você se dirige a ela com uma palavra severa, mas respeitosa ou tenta explicar que uma atitude malcriada tem consequênciafico feliz.  Pense, advertências como ‘Jackson, eu vou ter que tirar seu brinquedo até que você entenda que não é para bater’ ou ‘Bella, seus 10 minutos no balanço acabaram. Se você não der a vez para Henry, você não terá permissão para usá-lo mais’, ajudam e muito.

Aqui está a maneira que eu vejo: quando você se manifesta, você está mostrando aos meus filhos que exigir gentileza não é apenas