Enfermeira que socorreu crianças em Capitólio se emociona com ligação dos pais das vítimas

Jane Freitas estava de férias na região – mas ajudou a socorrer crianças atingidas pela queda do paredão em Capitólio, Minas Gerais. O acidente deixou ao menos 10 mortos

Resumo da Notícia

  • Uma enfermeira que ajudou a socorrer crianças em Capitólio se emocionou ao receber ligação com mensagens dos pais das vítimas
  • Jane Freitas estava de férias na região com amigos, quando ajudou a prestar primeiros-socorros em crianças atingidas pela queda do paredão
  • Em agradecimento, pais dos atingidos prestaram emocionantes ligações a Jane

Uma enfermeira se emocionou com a ligação que recebeu de pais de crianças atingidas pela queda do paredão em Capitólio, MG, no último sábado, 10 de janeiro. Jane Freitas é de Várzea Paulista, mas estava de férias com amigos na região. Ao notar a tragédia, a enfermeira prontamente prestou socorro a crianças que estavam em lanchas atingidas pelo cânion.

-Publicidade-

Contudo, o que ela não esperava era a ligação de uma família – que fez questão de conversar diretamente com Jane para agradecer a atenção e cuidado com o filho. Ao G1, Jane contou sobre a emoção da conversa.

Criança de 9 anos e adulto de 51 recebem alta após tragédia em Capitólio
Criança de 9 anos e adulto de 51 recebem alta após tragédia em Capitólio (Foto: Divulgação/CBMMG)

“A mãe das crianças perdeu o celular e conseguiu pegar o meu contato com um repórter que tinha acabado de me entrevistar”, esclareceu. “Ela me ligou assim que eu chegava em casa e me agradeceu demais dizendo que a família toda está muito grata com o trabalho. Ela falou muito de gratidão. Eu fiquei bastante emocionada na hora que ela me ligou. Ela, os filhos, sobrinhos, estão todos bem”.

Além disso, Jane ainda ressalta, “Um dia iremos nos encontrar. Quero me encontrar com eles. Toda hora que lembro eu me arrepio. Como é importante saber que quem você cuidou está bem. Importante saber como está a parte psicológica dessas crianças que viram o desastre lá”.

Os moradores de Várzea Paulista – cidade natal de Jane – também homenagearam a enfermeira na volta para casa. “As pessoas vieram dar parabéns, me cumprimentar e falar que foi um ato de humanismo. É importante para a gente, que quer ajudar e quer ser um ser humano cada dia melhor. A gente sempre tem que cuidar das pessoas na fragilidade”.

Momentos de desespero

Jane relembra que a lancha em que estava com os amigos deveria ter saído junto com as embarcações atingidas pelo paredão – contudo, foi por causa da necessidade de um amigos que o grupo se atrasou para o passeio.

“Um dos meus amigos disse que precisava muito ir ao banheiro. Então, na primeira parada da lancha, que nem é comum ir, tivemos que esperar ele descer, ir ao banheiro, para continuarmos o trajeto. Minha amiga retornou com a gravação depois da parada e chegou a dizer no vídeo: ‘agora vocês irão ver a bela natureza’. De repente, ela parou de filmar e vimos todo mundo desesperado, gritando. Esses minutos da parada foi o livramento”.

Jane contou que, ao perceber crianças feridas e famílias desesperadas, não pensou duas vezes para ajudar. “Era meu dever socorrer. Sou enfermeira e vi crianças gritando. Ajudei uma que ficou com vidro no pé, outra que queria que acompanhasse ela de tanto medo e estava sangrando. Me cortou o coração. Mas quando dever chama, temos que ajudar de alguma forma”.

Última vítima do desabamento de rocha em Capitólio é identificada
Última vítima do desabamento de rocha em Capitólio é identificada (Foto: Reprodução/Redes sociais)

Por fim, ainda completa, “Uma mistura de emoção, tristeza e gratidão. Só tenho a agradecer a Deus em poder ajudar as vítimas. Realmente uma união de vários desconhecidos. Eu fazendo os primeiros socorros, a amiga Kelly Rosa orientando e acalmando as vítimas, o amigo Alessandro Alves ajudando a afastar pessoas e procurava material para o socorro, uma criança deu sua toalha para aquecer uma das vítimas. A união realmente faz a força e a diferença. Foi muito triste. Meus sentimentos aos familiares”.