Criança

Ensino bilíngue: será que seu filho vai ficar confuso com os dois idiomas?

6 perguntas mais frequentes respondidas por uma especialista em educação

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Você com certeza já se perguntou se deve ou não iniciar seu filho pequeno em outro idioma. “Será que isso vai ajudá-lo a ter um futuro melhor, ou vai fazer com que ele se atrapalhe e não aprenda nem o português, nem a outra língua?”.  Para especialistas, dúvidas desse tipo são comuns, mas a resposta é uma só: aprender duas línguas ao mesmo tempo não traz prejuízo algum.

“Estudos ligados à cognição afirmam que, no caso das crianças, aprender duas línguas ao mesmo tempo não confunde e é benéfico para desenvolver mais conexões neurais ligadas ao aprendizado de idiomas”, explica Andrea Ramal, consultora e doutora em Educação.

Entre 6 meses e 4 anos, o cérebro das crianças estão formando circuitos de linguagem, e os neurônios podem fazer novas conexões. Por isso, apresentar uma nova língua ao seu filho é mais fácil, sim. Só de ouvir, ele já vai absorver a língua, assim como faz com o português.

Conversamos com Ivana Gomes, diretora do Colégio Pitágoras e mestre em estudos multidisciplinares pela Universidade do Sul de Nova Iorque, para entender as vantagens do ensino bilíngue:

Quando uma escola pode ser considerada bilíngue?

O ensino bilíngue é o que propicia ao aluno o conteúdo acadêmico próprio para a faixa etária nas duas línguas em questão. Também é indispensável que os valores éticos e morais sejam desenvolvidos em harmonia entre o currículo brasileiro e o da segunda língua.

A partir de que idade o segundo idioma pode ser introduzido?

O ideal é começar antes da criança ser alfabetizada. Entre 2 e 3 anos, é quando ela está mais preparada para receber o novo idioma, que vem naturalmente. Essa é uma condição para a aprendizagem da cultura de diferentes povos e nações, que possibilita o desenvolvimento do entendimento das diferenças e semelhanças, do respeito ao outro e ao meio.

Como é o trabalho com alunos menores, que ainda não foram alfabetizados?

A alfabetização se inicia antes do letramento (leitura e escrita). Desenvolvemos primeiramente a escuta e a fala, e depois a leitura e escrita. As crianças cantam músicas em sua língua nativa sem conhecer o significado de algumas palavras. Isso também acontece ao aprenderem uma segunda língua: elas desenvolvem o aprendizado auditivo e o reproduzem na fala, com comunicação gestual e expressões faciais. É uma experiência de descoberta, nunca de repetição mecânica.

Apenas crianças menores que ainda não iniciaram o processo de alfabetização podem entrar em uma escola bilíngue?

Existe, sim, uma dificuldade maior em alunos que nunca tiveram contato com a segunda língua. Mas como os dois idiomas são introduzidos juntos , não há nenhum problema. Entre as turmas de 2 a 7 anos, o material é todo feito no dois idiomas. E como a criança tem a possibilidade de falar em duas línguas, ela fica menos inibida para se comunicar caso não consiga e se sente mais confortável.

Quais os benefícios do ensino bilíngue para a formação da criança?

Nos dias atuais, a distâncias físicas não são mais barreiras para ninguém. E a língua mais usada no mundo todo é o inglês. Portanto, no momento que a criança começa a conversar em outra língua, já ganha vantagens no futuro para o currículo e no mercado de trabalho. Ter essa fluência abre muitas portas para o aluno. Além disso, a dinâmica da escola e a metodologia usada estimula a resolução de problemas, pensamento crítico e criativo, autonomia e iniciativa para tomada de decisões.

Além da facilidade de estar como participante de diferentes culturas no futuro, há um desenvolvimento cerebral diferenciado para crianças que iniciam a aprendizagem da segunda língua desde pequenos. A criança aprende a explicar e entender a palavra e não só traduzi-la ao pé da letra. Isso desenvolve uma maior f