Escola dos EUA fecha as portas após dinâmica promovida em Mês da História Negra

O caso aconteceu em uma instituição localizada em Boston, Massachussets, onde a professora pediu que os alunos colocassem uma máscara preta e ‘se fantasiassem’ de negros. A escola se posicionou publicamente após o ocorrido

Resumo da Notícia

  • Escola dos EUA fecha as portas após ser acusada de promover 'Blackface' em Mês da História Negra
  • O caso aconteceu em uma instituição localizada em Boston, Massachussets, onde a professora pediu que os alunos colocassem uma máscara preta e 'se fantasiassem' de negros
  • A escola se posicionou publicamente após o ocorrido

Uma escola localizada em Boston, Massachussets, nos EUA, teve de fechar as portas após promover uma dinâmica no Mês da História Negra e ser acusada de racismo. Isso porque, por lá, a professora pediu que os alunos usassem pratos de plástico pintados de preto no rosto para que se vestissem como ‘negros’.

-Publicidade-

A prática em questão é classificada como ‘Black Face’, que consiste em uma antiga prática racista de atores pintarem os rostos com carvão para interpretarem personagens afro-americanos de forma exagerada. A denúncia foi divulgada em uma matéria do NY Post, e mostrou que o caso gerou uma onda de manifestações e protestos.

A professora pediu que as crianças 'se fantasiassem' de negros
A professora pediu que as crianças ‘se fantasiassem’ de negros (Foto: Reprodução/ Facebook)

Em comunicado, a escola se pronunciou sobre o ocorrido. “Um dos pais apontou que a máscara preta é ofensiva. A professora chegou a se desculpar com os pais”, dizia a mensagem. O diretor, que estava ausente da escola no dia que foi promovida a atividade, demitiu os professores e funcionários envolvidos em sua organização.

Mesmo assim, a instituição removeu a publicação do Facebook que celebrava a atividade e até mesmo deletou o perfil da escola na rede social.

“A todos os ofendidos, pedimos sinceras desculpas pelo que aconteceu com uma de nossas atividades em sala de aula: black face. Nossa intenção era comemorar o Mês da História Negra. Infelizmente, não fizemos pesquisas suficientes sobre a história negra e realizamos uma atividade errada. Queremos dizer que lamentamos o ocorrido”, dizia ainda o comunicado. A escola não possui previsão de reabertura.