Estrabismo infantil aumenta na pandemia: saiba o que é, como identificar, tipos e tratamento

A pandemia do novo coronavírus tem preocupado também sobre o uso excessivo de telas, um dos motivos que pode causar o estrabismo infantil. Tiramos as principais dúvidas com a oftalmopediatra Bruna Ducca

Resumo da Notícia

  • De acordo com a Organização Mundial da Saúde, cerca de 3% da população mundial possui estrabismo
  • Assim que o estrabismo é descoberto, é superimportante que o tratamento seja feito de maneira precoce
  • Quando o problema não é tratado na infância, pode ser permanente na fase adulta

A pandemia do novo coronavírus trouxe também uma preocupação com a saúde dos olhos. Causando impactos diretos, principalmente quando se fala de estrabismo, o problema pode acontecer por causa do uso excessivo de telas, como celulares, tablets e até mesmo computadores. A demanda de tempo reflete nos estímulos visuais, que tendem a proporcionar um esforço acima do normal para a visão humana.

-Publicidade-

A oftalmo pediatra da Clínica Eyekids, Dra. Bruna Ducca, mãe de José e Felipe, reforça que o aumento do número de casos de estrabismo na pandemia se deve a um maior tempo usando as telas e aparelhos eletrônicos. “Então, as crianças que já tinham uma suscetibilidade de desenvolverem o estrabismo, acabam descompensando o desvio por causa do hábito”, explica.

Assim que o estrabismo infantil é descoberto, é preciso iniciar o tratamento o quanto antes para corrigir o problema (Foto: Shutterstock)

Mas, afinal, o que é estrabismo?

A médica explica que estrabismo é “um desalinhamento dos olhos, ou seja, a perda do paralelismo deles”. Apesar de acontecer na infância, de maneira congênita, ele também pode acontecer ao longo da vida na fase adulta. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 3% da população mundial é estrábica.

-Publicidade-

Sintomas do estrabismo em crianças

Os principais sintomas relacionados ao estrabismo na criança e que os pais devem ficar de olho são:

  • Desalinhamento dos olhos
  • Visão dupla
  • Torcicolo
  • Fechar um dos olhos no sol

Tipos de estrabismo

  • Convergente (esotropia): é quando o desvio de um dos olhos, ou de ambos, ocorre para dentro
  • Divergente (exotropia): quando o desvio de um olho, ou dos dois, acontece para fora
  • Verticais (hipertropia ou hipotropia): geralmente quando um olho aparenta ficar mais alto, ou mais baixo do que o outro.

Bruna Ducca comenta ainda que é bastante raro uma criança nascer com estrabismo, mas quando ele surge na forma congênita, geralmente aparece por volta dos três ou quatro meses de vida. Já quando ele é divergente (exotropia), tende a acontecer entre dois e três anos de idade. Além disso, pode ocorrer ainda o estrabismo paralítico, que vem associado após um trauma, por exemplo.

Riscos do estrabismo infantil

Quando o estrabismo não é tratado cedo, a especialista comenta que a criança pode desenvolver uma preferência pelo olho alinhado. A partir disso, o cérebro começa a “anular” a imagem do olho que está desviado, ocorrendo a ambliopia, que é a diminuição da visão em um dos olhos. Veja mais sobre o tratamento para ambliopia.

O uso de óculos pode corrigir os casos mais leves de estrabismo infantil (Foto: Shutterstock)

Assim que o estrabismo aparecer, Bruna reforça que o tratamento precisa ser precoce. “Isso precisa ser tratado muito cedo, porque existe um período de desenvolvimento da visão da criança, que vai até os sete ou oito anos mais ou menos”, explica.  Por isso, se você observar que existe algo de errado com a visão do seu filho, procure um oftalmo imediatamente.

Estrabismo pode ser irreversível?

Depende. Quando o estrabismo é tratado ainda na infância, é possível reverter a situação, mas, quando é postergado e levado para a fase adulta daquela pessoa, não é mais possível recuperar a visão após uma certa idade. Por isso, a oftalmopediatra recomenda que a correção seja feita o quanto antes.

Estrabismo pode acontecer por causa de doenças neurológicas?

De acordo com a médica, o estrabismo infantil pode sim estar associado a uma doença neurológica, por isso, é superimportante ficar de olho nestes casos. “Geralmente, acontece de repente. Então, nós levamos em consideração a possibilidade de paralisias dos músculos oculares. Agora, se a criança já nasce com o olho desviado, é investigado as causas neurológicas para a situação”.

Tratamento para estrabismo infantil

Bruna Ducca comenta que existem várias maneiras de tratar o estrabismo infantil, sendo elas: o uso de óculos, tampão e também a cirurgia. No caso do tampão, é importante reforçar que a técnica não é uma maneira de corrigir o problema, mas sim de auxiliar no controle para evitar que ele piore.

No caso da correção do estrabismo infantil a partir da cirurgia, pode depender do tipo de estrabismo que a criança apresenta. “Nos casos em que o olho é convergente, desviado para dentro, e que os bebês apresentam desde cedo, nós operamos o quanto antes possível, geralmente por volta dos 9 meses”, explica. Mas, é importante reforçar que também existem casos em que é possível esperar por mais um tempo antes de realizar a cirurgia, porém isso deve ser acordado sempre com o oftalmologista do seu filho.