;
Criança

Estudo mostra que crianças que começam estudar mais tarde vão melhor nas aulas e o motivo é polêmico

A pesquisa levou em conta a realidade financeira das famílias

Emily Santos

Emily Santos ,filha de Maria Teresa e Francisco

Crianças mais velhas se saem melhor na escola (iStock)

Um estudo inédito na Austrália revelou que a idade com a qual a criança é mandada para a escola é fundamental em seu desenvolvimento acadêmico.

O estudo considerou dados de 100 mil crianças e os pesquisadores da University of New South Wales analisaram que os meses de idade a mais com que as crianças mais velhas entram na escola impactam diretamente no melhor resultado acadêmico.

Os pesquisadores também notaram que 25% das crianças estão entrando no Jardim de Infância com idades superiores à mínima estabelecida e estes acabam se destacando e tendo performances melhores que os colegas de classe mais novos.

Em comparação com dados do Censo Australiano de Desenvolvimento Prematuro, o estudo conseguiu analisar que cada mês de diferença na introdução da criança na escola conta para seu desenvolvimento superior às médias nacionais.

A escola como única opção

No entanto, os estudiosos levaram em consideração que grande parte dos pais decidem mandar os filhos para a escola o mais cedo possível porque não têm condições financeiras de manter o a criança na cheche ou com babás.

Assim, a taxa de melhores performances são mais comuns em filhos de casais com melhores condições financeiras, que podem permitir que o filho entre na escola mais tarde.

Leia também:

Estudo mostra que crianças educadas por casais gays se saem melhor na escola

Estudo mostra dado assustador: mais de 4,6 milhões de brasileiras foram agredidas em 2018

Estudo brasileiro defende que bebês que mamam no peito por mais tempo são mais inteligentes