Criança

Estudo mostra que jogo de queimada pode promover opressão entre estudantes

No jogo, você tem que acertar a bola nos outros - Getty Images
Getty Images

Publicado em 14/06/2019, às 07h59 - Atualizado às 08h29 por Yulia Serra, Editora de conteúdo especializado | Filha de Suzimar e Leopoldo


No jogo, você tem que acertar a bola nos outros (Foto: Getty Images)

Essa foi a conclusão de uma longa pesquisa apresentada no Congresso de Ciências Humanas e Sociais, em Vancouver (Canadá). A queimada, um dos esportes mais famosos nas escolas, pode ser usado como ferramenta de “opressão” para “desumanizar” outras pessoas. Você com certeza já esteve em uma partida e pode se lembrar da correria para não ser acertado.

“Quando você está estabelecendo o ambiente para os estudantes aprenderem e introduz a ideia de que está tudo bem bater a bola em quem quiser, mesmo que seja macia, a intenção (de agressividade) está lá”, explicou Joy Buttler, uma professora que estuda pedagogia e desenvolvimento curricular na University of British Columbia, ao The Washington Post.

A especialista entende que as aulas de Educação Física devem ser um espaço onde os professores ajudem os alunos a controlar sua agressividade, ao invés de expressá-las através do ódio. O estudo contou com entrevistas de vários estudantes sobre essa aula especificamente e ouviu repetidas vezes a frase: “Eu odeio queimada” e, por isso, os pesquisadores decidiram se aprofundar no assunto e quiseram entender o motivo desse sentimento comum.

A pesquisa fez um alerta (Foto: reprodução/John Ulan/AP/G1)

As respostas que encontraram foram muito parecidas com o que Iris Marion Young escreveu  no artigo “As cinco faces da Opressão, publicado em 1990 pelo livro “Justiça e as Políticas de Diferença”, são elas: exploração, marginalização, impotência, imperialismo cultural e violência.

A pesquisa percebeu que quanto mais atlético e autoritário era um estudante na aula, maior a chance de estabelecer regras e práticas sem inserir os outros. E esse hábito era claro na hora de criar as próprias equipes, excluindo outros alunos. “Quando eles pensam que está tudo certo, porque alguém disse para fazerem isso, o que irão aprender?”, questionou Buttler.

A pesquisa deverá ser publicada na revista European Physical Education Review e outros estudos devem ser feitos em relação ao tema. Mas é impossível negar que as explicações fazem sentido, e não apenas para esse esporte.

Saiba como funciona o jogo:

Leia também:

Palavras-chave
estudo

Leia também

Registro feito por Ana Paula Siebert ao lado de Roberto Justus - Reprodução/Instagram

Família

Roberto Justus fala sobre desgaste no relacionamento com Ana Paula Siebert: “Ela odeia”

Sasha tem dois irmãos por parte de pai - reprodução / Instagram

Família

Sasha Meneghel abre o jogo e fala sobre relação com os irmãos: “Tive que dar uma regulada nisso”

Filho de Giovanna Antonelli e Murilo Benício conta projeto profissional: "Sai do meu bolso" - (Foto: Reprodução/Instagram)

Ele cresceu! 🥰

Filho de Giovanna Antonelli e Murilo Benício se torna modelo e prova que a beleza é de família

Virginia conta planos para chá revelação do terceiro filho - (Foto: reprodução/Instagram)

Gravidez

Virginia dá detalhes do chá revelação do 3º filho: "Diferente dos outros"

Namorada de Duda Nagle comenta sobre relacionamento - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Nova namorada de Duda Nagle fala sobre relação com Zoe

Ela só queria que o filho se sentisse parte da família (Foto: Reprodução/Facebook

Família

Família adota criança de 12 anos e recebe surpresa de banco: “Não existia, mas criaram um jeito”

Menina participa em competição com cabelo inspirado em refrigerante - Reprodução/ Twitter

Criança

Mãe viraliza ao fazer na filha um penteado inspirado em um refrigerante; veja o vídeo

Isis Valverde completa 37 anos de vida e fala sobre sentimento - (Foto: reprodução/Instagram)

Família

Marcus Buaiz comemora aniversário de Isis Valverde com foto de todos os filhos juntos

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!