Criança

Estudo prova que crianças antissociais com vínculo instável com os pais custam mais à sociedade

Os pesquisadores analisaram 174 filhos

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

(Foto: Getty Images)

Um estudo, feito por pesquisadores do King’s College London, descobriu que o comportamento antissocial das crianças junto a vínculos inseguros com a figura paterna custa à sociedade 12.700 libras (R$ 64.508,38) a mais por ano, do que aquelas com relacionamentos estáveis. Quanto em relação com a mãe, o gasto adicional é de 3.500 libras anuais, ou R$ 17.777,90.

Segundo o estudo, publicado no The Journal of Child and Psychiatry, a explicação é que essas crianças precisarem de mais reuniões na escola, mais encaminhamentos para serviços e mais consultas com os especialistas de saúde mental para crianças e adolescentes. “Embora seja de conhecimento que jovens antissociais custam mais à sociedade à medida que se tornam adultos, mostramos que o vínculo instável, inseguro, adiciona um custo por si só, independente dos custos do próprio comportamento antissocial. Saber que seus pais ou responsáveis estarão presentes para você em momentos de necessidade emocional é um aspecto essencial do sentimento de ser amado”, argumentou o professor Stephen Scott, principal pesquisador do levantamento.

O estudo foi feito com 174 crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos. Entre eles, 85 foram classificadas como tento comportamento antissocial moderado, enquanto 89 foram levados pelos serviços de saúde mental como tendo altos níveis de comportamento antissocial.

Leia também:

Estudo mostra relação entre consumo de antidepressivos na gravidez e diabetes gestacional

Estudo afirma que cada bebê tem um cheiro único e especial

Estudo mostra que gel para dentição pode fazer mal à saúde do bebê

Fique por dentro do conteúdo do YouTube da Pais&Filhos: