Criança

Finalmente! Trump assina decreto que suspende a separação de pais e filhos imigrantes. E agora, como vai ser?

A política de "tolerância zero" separou quase 2.000 crianças de seus familiares

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

O presidente americano Donald Trump assinou o decreto que suspende a separação de pais e filhos imigrantes na fronteira com o México. Agora, as famílias que entrarem nos Estados Unidos de maneira ilegal, serão detidas juntas. Mas, apesar disso, segundo a Exame, a administração do presidente dos Estados Unidos informou que a política do “tolerância zero” continuará. E agora, como vai ser?

Para entender melhor o que mudou, essa política batizada de “tolerância zero” do governo americano estabeleceu que imigrantes, que entrassem ilegalmente no país, deveriam responder a processos criminais. Mas não para por aí, a polêmica gerada se dá ao fato de que essas pessoas, flagradas tentando atravessar a fronteira, estavam sendo separadas dos filhos. Como assim?

A prática começou em abril deste ano e, de acordo com o G1, em um recente período de seis semanas, quase 2.000 crianças foram separadas dos pais ou tutores. Aparentemente o número certo é de 1.995 menores de idade separados de 1.940 adultos que estavam com eles durante a travessia entre os dias 19 de abril e 31 de maio.

(Foto: Reprudução Twitter / @AP

(Foto: Reprudução Twitter / @AP

 

Onde essas crianças estavam?

Jaulas: esse é o nome para o lugar onde os filhos dos imigrantes ilegais eram deixados. “Nada menos que uma prisão”, descreveu o congressista democrata americano Peter Welch, em um tweet, sobre o centro de detenção no Texas, segundo a BBC Brasil. O post veio após uma visita do democrata, com outros deputados, ao local. O estabelecimento era conhecido como Ursula, mas os imigrantes costumavam chamar de “La Perrera” (“O Canil”, em espanhol). O lugar é cheio de gaiolas de ferro que além de abrigar imigrantes adultos, recentemente tem crianças separadas dos pais após a tentativa de atravessar a fronteira.

O lado humano

A oposição ao governo Trump, os democratas, chamaram a postura do presidente de “diabólica”. Outras figuras políticas dos EUA também se expressaram por meio do twitter como o ex-presidente Bill Clinton. No último dia 17 de junho, Dia dos Pais nos Estados Unidos, ele disse que estava pensando nas milhares de filhos separados dos pais. “Essas crianças não deveriam ser usadas como objeto de negociação. Reunir essas famílias iria reafirmar a crença americana por todos os pais que amam seus filhos”.

(Foto: reprodução do Twitter)

(Foto: reprodução do Twitter)

Laura Bush, ex-primeira-dama, esposa do ex-presidente George W.Bush, escreveu sobre a situação para o jornal “The Washington Post”. “Eu vivo em um país com fronteiras. Acredito na necessidade de reforçar e proteger nossas divisas internacionais, mas essa política de ‘tolerância zero’ é cruel. Imoral! Entristece meu coração”, escreveu Laura no Twitter.

(Foto: reprodução do Twitter)

(Foto: reprodução do Twitter)

Para o desenvolvimento

“O primeiro passo é entender que essas crianças estavam atrás de um sonho compartilhado com os pais”, comenta Mônica Pessanha, psicóloga e mãe de Melissa. A busca seria por uma qualidade de vida melhor para a família, por isso eles atravessariam a fronteira com os filhos. Mas a criança não sabe que aquilo é ilegal, ela não tem essa noção. Para os filhos, os pais são sempre heróis.

Quando o plano não dá certo, a frustração é enorme. A separação dos familiares traz uma sensação de abandono completamente prejudicial para o desenvolvimento daquele menor. “Essas crianças se sentem rejeitadas pelo ambiente, que parecia tão promissor, e não sabem o que vai acontecer depois”, explica Mônica. O abandono altera a formação da personalidade, gerando pessoas inseguras que irão construir uma necessidade de se defender do mundo sempre e a todo custo. “No futuro, esse indivíduo pode ser agressivo e infringir leis”. Separação fere e traumatiza, não há nada de bom neste processo.

Não dá para aceitar essa situação como ‘normal’. É muito triste que crianças foram forçadas a se afastar dos pais. A gente aqui fica torcendo pelo melhor,  e logo!

Leia também:

80 anos de Super-Homem: o personagem que acompanha gerações

Você vai pirar com essas ideias sobre educação que encontramos na Bett Educar

Trump ignora criança fantasiada de T-Rex no Halloween da Casa Branca