Gênio! Menino de 14 anos cria robô que auxilia quem toma remédio todos os dias

Rafael Sampaio, de 14 anos, após ter aulas de robótica e tecnologia criou um robô que leva os medicamentos até as os pacientes

Resumo da Notícia

  • O menino, que tem 14 anos, aprendeu sobre tecnologia durantes as aulas de robótica
  • A invenção de Rafael leva o remédio até os pacientes
  • O robô ajuda crianças e adultos, e aos mesmo tempo. leva alegria com suas danças

Rafael Sampaio, um garoto de 14 anos fez um robô que ajuda as pessoas que precisam tomar remédios todos os dias no mesmo horário. A invenção de Rafael traz os remédios até as pessoas, aliviando na rotina estressante de remédios e horários e também divertindo os pacientes com danças. Para o garoto, que utilizou o que aprendeu com as aulas de programação de robótica de sua escola de tecnologia, CodeBuddy, a inovação pode trazer alegria para as pessoas, e a invenção dele irá ajudar crianças e adultos.

-Publicidade-

“Eu construí o robô com peças de lego. Eu o programei com uma base em blocos parecida com a plataforma Scratch. A ideia surgiu por causa de um robô que meu primo tinha, que era um robô de Star Wars que dançava também”, conta Rafael.

Menino de 14 anos cria robô que auxilia pacientes na hora de tomar remédios
Menino de 14 anos cria robô que auxilia pacientes na hora de tomar remédios (FOTO: Reprodução / CodeBuddy)

O mercado da programação está repleto de jovens talentosos que assim como Rafael mostram o seu talento. Um desses jovens é Luiz Henrique de Oliveiri mora com a avó e os irmãos na Ocupação Mauá, que fica em um prédio antigo no centro de São Paulo e abriga 230 famílias carentes. O jovem foi considerado um “gênio precoce” da programação, ganhou uma bolsa de estudos e terá um emprego garantido em uma empresa de negócios digitais. O menino foi descoberto, depois que apresentou um desempenho acima da média nas avaliações e provas que o professor e cofundador do Instituto Educ360º, Fábio Carmo deu para as crianças que moram na ocupação.

Em entrevista ao R7, Fábio contou que: “Esse garoto simplesmente entregou o projeto desenvolvido até a etapa 19. Bem mais da metade de todo o programa oferecido por nós em um curso de cinco meses de duração […] Não bastasse, tirou a maior nota entre a molecada, com alguma folga para o segundo lugar. Tudo indica que estamos diante de um gênio precoce da área de tecnologia”.