Criança

Irmãs produzem bonecos negros, com síndrome de down e de outras etnias

Preta Pretinha revoluciona mercado de produtos infantis e promove a inclusão na venda de brinquedos não estereotipados

Letícia Vaneli

Letícia Vaneli ,filha de Alcides e Eugênia

As empreendedoras gerenciam a Instituto Preta Pretinha e ministram palestras (Foto: Reprodução / Instagram @pretapretinhaoficia)

Se você for a alguma loja de brinquedos e se perder na ala de bonecas, muito provavelmente vai perceber que muitas crianças não se sentem representadas. Aconteceu com a família Venâncio quando as irmãs Joyce, Maria Cristina e Lucia ainda eram crianças.

Elas não queriam uma boneca que não tivesse traços negros e então pediram à avó que confeccionasse uma exclusiva para elas. E assim foi: a boneca feita com meia calça preta foi um sucesso e, a partir daquele momento elas decidiram que abririam uma loja quando ficassem mais velhas.

“O dia que levei na escola foi uma festa. Algumas crianças gostaram, outras falaram que era feia. Por ter a autoestima bem trabalhada em casa, eu não me intimidei. Desde então, eu e minhas irmãs falávamos que quando adultas teríamos uma loja de bonecas negras ”, relembra Joyce sobre esse momento ao R7.

É importante que as crianças se sintam representadas (Foto: Reprodução /Instagram @pretapretinhaoficial)

Anos depois, as irmãs inauguraram, na Vila Madalena, em São Paulo, a loja Preta Pretinha, onde você pode encontrar diversos estilos de bonecos. Foi um ato revolucionário! Pela primeira vez crianças negras, com síndrome de down, vitiligo, cegos, orientais e até com lábio leporino puderam se enxergar nos bonecos.

“As pessoas tinham uma visão errada de bonecas negras como sendo bruxinhas, nega maluca, nega flor. Nós quebramos tudo isso. Nosso papel foi realmente de inclusão”, contou Joyce.

Os valores das peças variam entre R$ 8, nos tamanho de até 10 cm, e R$ 198, valor da boneca mais famosa da marca, Mariah. A equipe ainda produz bonecos personalizados, feitos sob medida.

Cerca de 1200 bonecos são confeccionados por mês (Foto: Reprodução/ Instagram @pretapretinhaoficial)

Leia também:

Mãe, negra e empreendedora, Luana Génot luta contra o racismo: “Quero deixar um legado para minha filha” 

Chegou a hora: vamos falar sobre empreendedorismo materno? 

Mãe encontra seu propósito no empreendedorismo após ser demitida do emprego