Labirintite também atinge crianças e bebês: saiba os sintomas e como tratar

Essa inflamação no ouvido mexe com o equilíbrio e pode levar a tontura e enjoo. É fundamental que os pais e professores fiquem atentos aos sinais, pois pode comprometer o desenvolvimento do seu filho

Resumo da Notícia

  • Labirintite é um processo inflamatório no labirinto, responsável pelo equilíbrio do corpo
  • Essa condição afeta todas as faixas etárias
  • Os sintomas mais comuns são: tontura, náusea e vômito
  • Na dúvida, procure sempre um especialista
Labirintite pode comprometer o aprendizado das crianças (Foto: Shutterstock)

A velha conhecida dos idosos, labirintite, também afeta bebês e crianças. Então, mesmo sendo mais comum na população adulta, o seu filho, em qualquer faixa etária, pode apresentar esse processo inflamatório, que, geralmente, vem acompanhado de reclamações em relação a tontura giratória, enjoo e vômito. Como as crianças não sabem se expressar tão tem, é fundamental que os pais estejam atentos aos sinais e queiram entender mais sobre aquela sensação. 

-Publicidade-

Labirintite nada mais é que um processo inflamatório no labirinto, região do ouvido que é responsável pelo equilíbrio, por isso, é muito comum que leve a sensação de mal estar. Há mais de 300 causas para labirintite entre adultos, mas nas crianças as duas principais são inflamação no ouvido e vertigem paroxística benigna na infância. Então, caso seu filho tenha dificuldade para realizar tarefas simples e tenha tontura, náusea, zumbido no ouvido, dores de cabeça ou quedas frequentes, fique de olho.

O diagnóstico preciso só pode ser feito por um médico especialista depois de uma avaliação detalhada, verificando o tempo, frequência e intensidade dos sintomas, seguida de exames (de acordo com o quadro apresentado na primeira etapa), como tomografia, ressonância magnética e audiometria. Assim como os exames dependem da causa, o tratamento também. Nesse ponto é essencial a precisão e o acompanhamento de um otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo.

-Publicidade-
A condição compromete o equilíbrio (Foto: Getty Images)

Sim, labirintite tem cura e pode ser alcançada através de medicamentos, ajustes na dieta, procedimentos cirúrgicos específicos e reabilitação vestibular (uma fisioterapia específica que foca no equilíbrio, reeducando o cérebro). A taxa de sucesso vai além de 80% utilizando essa última medida. Além desses cuidados mais técnicos, você também pode fazer outras meninas simples para te ajudar, mas para conhecer o mais adequado a situação de cada criança, é necessário consultar um médico

Essa condição tem um impacto grande na infância, interferindo diretamente no rendimento escolar, aprendizagem e desenvolvimento cognitivo, tanto oral quanto escrito. Por isso, é válido que não apenas os pais, mas professores também estejam atentos e mantenham um diálogo para discutir eventuais dificuldades e sinais. Mas não precisa entrar em pânico. Nem toda tontura é sinal de labirintite. Caso tenha dúvidas, o recomendado é procurar um especialista! 

 

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-