Criança

Levantamento diz que crianças passam 25 horas por mês no YouTube

Os dados são de um aplicativo de controle parental chamado AppGuardin

Giovanna de Boer

Giovanna de Boer ,filha de Karen e Christiano

Criança mexendo no celular (Foto: Reprodução / GettyImages)

Todos os pais se preocupam com o que os filhos estão vendo na internet, mas você já parou para pensar o tempo que eles passam olhando para as telinhas? Um aplicativo de controle parental, AppGuardina, forneceu dados sobre os hábitos de consumo das crianças entre 5 e 15 anos nos celulares.

Hoje em dia todo mundo está conectado nos smartphones e nos tablets, e nem as crianças ficam de fora dessa, né? O levantamento do aplicativo revelou que a garotada passa, em édia, 5,7 horas por dia no celular, isso de segunda à quinta feira. Já nos fins de semana, esse número aumenta 20%, chegando a 6,9 horas por dia.

O aplicativo mostrou uma média de horas gastas em aplicativos e o vencedor é o YouTube, que chega a ficar mais de um dia inteiro conectados. A plataforma de vídeo consegue entreter a criançada por 25 horas, e somando Youtube Kids e Youtube Go são 47 horas/ mês.

Ainda, de acordo com a pesquisa, jogos e redes sociais consomem mais de 50% do tempo que as crianças passam conectadas. O YouTube foi de longe o mais usado pelos usuários do AppGuardian, somando um total de quase 180 mil horas, seguido pelo WhatsApp, o jogo de tiro e sobrevivência Free Fire e as redes sociais Instagram e Facebook.

Os joguinhos Free Fire, Avakin Life, Roblox, Brawl Stars e Minecraft, juntos, somam 64 horas de conexão. Ou seja, 35% do tempo é gasto em jogos, 30% nas redes sociais, 20% em apps de entretenimento, 10% em aplicativos de mensagens e 4% navegando na internet.

O AppGuardin não tem só o objetivo de controlar e bloquear o acesso das crianças, mas também pretende possibilitar uma rotina mais equilibrada na era digital. O app permite que os pais organizem e monitorem da melhor forma o tempo que os filhos permanecem conectados. Para a CEO do app e educadora parental, Luiza Mendonça, a tecnologia ainda permite que os pais se conectem com os filhos. “Com o app, é possível ativar, por exemplo, o tempo em família, incentivando que pais e filhos se relacionem mais entre si longe das telas”.

Estudo mostra que crianças que ficam mais de duas horas com celulares podem desenvolver TDAH

Uma pesquisa feita pela Universidade de Alberta, no Canadá, apontou que bebês que passam mais de 2 horas com celulares, computadores, tablets e televisão correm maior risco de desenvolverem TDAH, Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade.

Feito com mais de 2.400 famílias, o estudo concluiu que, quando crianças de 2 a 3 anos de idade passam muito tempo diante das telas, elas têm mais chance de desenvolver o transtorno alguns anos depois.

Em entrevista ao jornal britânico Daily Mail, o Dr. Piush Mandhane, autor da pesquisa, disse que essas crianças também correm riscos de terem problemas comportamentais. “Isso acontece porque o maior tempo de exposição às telas faz com que as crianças fiquem menos tempo fazendo outras atividades, como brincar, ler e até mesmo dormir”, ele diz ao jornal.

Dr. Piush também diz que a pesquisa sugeriu que o tempo gasto em celulares faz com que as crianças tenham menos horas de sono: “A rotina de sono é essencial para um bom desenvolvimento”, ele concluiu.

Leia também:

Tecnologia do bem: brasileira cria app que ajuda na comunicação de crianças com autismo

Tecnologia a nosso favor! Conheça aplicativos para facilitar a sua vida

Grávida de 9 meses é contratada por empresa de tecnologia: “Minha história é uma exceção”