Criança

Mãe abre o coração sobre filho sem gênero: “Ele fica muito mais feliz com maquiagem”

Charlie tem apenas 5 anos

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

Charlie gosta de se maquiar e é melhor que a própria mãe (Foto: Reprodução/Mirror/Arquivo pessoal)

Rebecca Round é mãe de um menino de cinco anos, mas se surpreende com a habilidade que Charlie tem quando o assunto é maquiagem. Até para o presente de aniversário ele pediu uma penteadora e produtos de beleza.

Ela conta que o filho se maquia melhor que muita mulher, inclusive ela própria. Mas Rebecca dá essa liberdade para a criança porque diz que depois que ele começou a usar maquiagem, está cada vez mais feliz.

“Quando o Charlie está vestido como ‘menino’, ele não parece feliz. Não me leve a mal, não é que ele fica miserável, mas ele realmente fica muito mais feliz com maquiagem e vestido”, explica a mãe ao Mirror.

“Ele passa maquiagem melhor do que eu! E ele nunca assistiu tutorias de maquiagem, foi apenas de ficar vendo eu me maquiar. Ele é apaixonado por todas essas coisas que são consideradas ‘de meninas'”, contou.

A preocupação 

Rebecca disse que por mais que ela ame ver o filho feliz, sente muito medo de como ele poder ser visto pelas pessoas que não o conhecem tão bem quanto ela. “Charlie é muito sensível, então naturalmente eu me preocupo com o que ele pode sofrer no futuro. No momento ele está em um ambiente muito controlado e seguro, sem acesso às mídias sociais e ele não entende as notícias, já que ainda não lê”, comenta.

Ele ama se fantasiar (Foto: Reprodução/Mirror/Arquivo pessoal)

Como todo começou 

A mãe explica que a curiosidade e o interesse de Charlie pelo o universo da beleza começou quando, aos quatro anos ele já ficava ao lado da mãe enquanto ela se arrumava. “Ele me fazia perguntas sobre o que eu estava usando e para que servia”.

Então depois de muito cobrada pelo filho, cedeu e deixou que ele começasse a fazer os primeiros testes com maquiagem. “Agora ele me diz todos os dias que novo batom de cor ele quer “.

Rebecca realmente vê uma diferença no comportamento de Charlie. Quando ele está usando um vestido ou alguma fantasia de princesa, ela diz que o menino consegue ser mais leve do que nunca. “Ele instantaneamente se torna mais relaxado, ele canta, ele dança e seu sorriso literalmente é de orelha a orelha”.

E o irmão?

Charlie tem um irmão de três anos, Ronnie, e Rebecca explicou como as coisas funcionam. “O irmãozinho de Charlie, Ronnie, tem apenas três anos e muitas vezes falamos sobre meninos e meninas,  ele está aprendendo diferenças muito básicas entre eles e aprendendo também sobre quem são as ‘meninas’ na família“.

“Quando perguntado se Charlie é um menino ou uma menina, Ronnie diz garota. Charlie nunca corrige Ronnie sobre isso e geralmente apenas agita seu cabelo (se ele está usando uma peruca) e sorri”.

A mãe faz questão de apoiar o filho (Foto: Reprodução/Mirror/Arquivo pessoal)

Os amigos

“Nós temos muita sorte de ter um grupo fabuloso de amigos próximos que são muito encorajadores e encorajam Charlie a se expressar como meu marido, os irmãos de Charlie e eu”, explica Rebecca.

“Eu só posso esperar que, se esta for a escolha de estilo de vida de Charlie, será uma decisão para ser aceita, então eu posso educá-lo e mostrar que ele não é o único menino em um vestido, não há problema em fazer o que te faz feliz e que ele não tem que se conformar à norma se isso o faz sentir infeliz ou desconfortável”

“Espero que um dia ele tenha aprendido o suficiente com minha perspectiva positiva de que ele terá forças para defender o que acredita e a maturidade para administrar situações negativas com dignidade e orgulho”, encerra a mãe.

Leia também: 

4 famosos que criam seus filhos sem padrão de gênero 

Esporte não tem gênero: é a criança que decide o que ela quer 

Igualdade de gênero vira disciplina escolar em Portugal