;
Criança

Mãe de 3 filhos é a mais estressada de todas, afirma estudo

Você concorda com a pesquisa?

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Mãe de três é a mais estressada (iStock)

Mãe de três é a mais estressada (iStock)

O primeiro filho desencadeia uma séries de sentimentos nas mães, e um deles pode ser o de aumentar a família. Mas, se prepare, por que aquele velho ditado “um é pouco, dois é bom, mas três é demais” nunca foi tão verdadeiro. 

Segundo uma pesquisa divulgada pelo ‘Today’, a mãe de 3 crianças chega a ser mais estressada que a de 1, 2 e até 4 crianças. A partir do quarto filho a mulher começa a relaxar de novo. Isso é chamado de Efeito Duggar e, segundo o psiquiatra Janet Taylor, com 4 ou mais filhos a mãe atinge um nível crítico de crianças, fazendo a vida parecer mais fácil, pois não existe espaço na cabeça dela para ser perfeccionista

7.164 mães participaram do estudo nos Estados Unidos desde 2013 e foi usada uma escala de 1 – 10 para medir o estresse, sendo 10 o nível mais intenso. A média no EUA ficou em torno de 8,5 e os motivos do nervoso eram variados, desde problemas financeiros, exigências em relação a casa e até trabalho. 75% das vezes a cobrança vem da própria mães. O especialista ainda explicou que quanto mais filhos a mulher tem, ela fica mais confiante com suas habilidades. 

Há controversas 

Em contrapartida um estudo de cinco anos realizado pela Universidade Edith Cowan de Perth, Austrália, afirmou que as família grandes aproveitam as melhores satisfações da vida. A professora da Escola de Psicologia e Ciência Social, Bronwyn Harman, fez várias perguntas para diferentes pais  de diferentes tipos de família quanto à questões sociais, de adversidade e de auto-estima, de acordo com a ABC.

De acordo com a pesquisa, as família com quatro ou mais crianças fizeram a melhor pontuação em todas as áreas. O segundo maior resultado, separado por apenas 0,25%, foram pais que se identificaram como lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros (LGBTQ).

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

As vantagens apresentadas foram que as crianças têm maior suporte dentro da própria família, sempre alguém com quem brincar e ficam independentes mais cedo. Já as desvantagens são em relação à qualidade de tempo com cada filho e as despesas altas. Segundo Dra Harman, “os pais aceitam que existe um caos em suas vidas, mas não negam a felicidade que tiram de suas família”.

Apesar de ter comprovado que a maioria das famílias grandes foram planejadas, a pesquisa também mostrou que essas mesmas famílias são constantemente questionadas quanto à sua religião, se têm televisão em casa ou se as crianças são do mesmo pai.

Jeni Bonell tem 16 filhos, de 1 a 25 anos, e disse que sua enorme família  faz dela e do seu marido muito felizes. “Nós nos esforçamos bastante para garantir que todo mundo tenha um tempo individual com o pai e a mãe, mas eles também têm um suporte incrível dos irmãos.”

E ela ainda afirma que gostaria de ter mais filhos. “Nós temos todas essas pessoas, rimos e contamos muitas piadas, é muito divertido.”

Através da pesquisa, Harman constatou que as pessoas podem sem bons pais independentemente do seu sexo, idade, status de relacionamento, sexualidade ou renda. “Relaxem, o importante para as crianças são coisas como consistência, limites e saber que são amados, não importa o que aconteça.”

Leia também: 

Mãe também é gente e erra sim! Não se culpe tanto pelas falhas 

Mãe também é gente: você tem direito de tirar tempo para fazer as unhas

Mãe também é gente: voltar para a cama depois das atividades matinais