Mãe descobre que filha de 10 anos estava sendo estuprada após olhar histórico de buscas de celular

A menina de 10 anos era abusada sexualmente do pai de sua madrasta, quando ia aos finais de semana na casa do pai

Resumo da Notícia

  • Uma mãe descobriu que a filha estava sendo estuprada ao olhar o celular dela
  • No celular da menina haviam termos sexuais pesquisados e a criança contou que sofria abusos
  • Segundo a vítima o crime acontecia há 1 ano e meio

Uma mãe descobriu que a filha foi estuprada ao olhar o celular da menina e encontrar termos sexuais que haviam sido pesquisados. O caso aconteceu na região do Jd. Bela Vista, em Bauru, e a menina de 10 anos contou à mãe que sofria abusos sexuais pelo pai de sua madrasta.

-Publicidade-

O homem de 64 anos foi preso, e segundo informações da Polícia Civil, ele confessou o crime dizendo que ‘brincava’ com a criança. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A prisão do homem foi divulgada ontem, mas ocorreu na última segunda-feira. Na ocasião a Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência de estupro de vulnerável.

A mãe descobriu que a filha era estuprada ao olhar o celular dela
A mãe descobriu que a filha era estuprada ao olhar o celular dela (Foto: Getty Images)

A mãe da vítima contou que a filha visitava o pai de 15 em 15 dias, apenas nos finais de semana. A mulher tem o costume de verificar o celular da filha, e com isso acabou descobrindo que ela estava pesquisando termos sexuais na internet, ao questionar, a menina então disse que estava sendo abusada pelo homem.

O acusado morava na mesma casa que sua filha (madrasta da menina), e seu genro (pai da menina). Era lá que o crime ocorria, sempre quando o genitor da garota não estava presente, segundo ela. A menina contou que o homem passava a mão nas partes íntimas dela e a língua também, e fazia questão de mandar ela pesquisar os termos na internet enquanto o abuso acontecia, segundo a vítima o crime acontecia a um ano e meio.

O homem foi preso após confessar o crime, e será indiciado por estupro de vulnerável, já a vítima passou por todos os exames necessários e também foi encaminhada ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) para passar por escuta especializada.

Como monitorar seus filhos

Segundo Maíbi Mascarenhas, pedagoga, coordenadora da pós-graduação em Educação Inclusiva do Instituto Brasileiro de Formação de Educadores, gestora da “Água Mágica Festas e Artes” e mãe da Valentina, o melhor caminho é: colocar filtros nos aplicativos, limitar o tempo de uso e acompanhar todas as atividades da criança no celular bem de perto.

“Sim, fique ao lado, vasculhe o histórico e pergunte sobre o que viu. Mostre também exemplos de informações que não são reais e deixe claro que qualquer ameaça a ele, família ou qualquer outra pessoa, deverá ser avisada. Converse com ele explicando, de um jeito que seu filho possa entender, que parte do que existe na internet não é real”, aconselha Maibí.

Conversa é a chave! Fale com seu filho sobre as redes sociais o tempo inteiro. Uma dica é ficar atenta a comportamentos que fujam do normal e falar sobre desafios que não são brincadeiras como o da Momo.