Criança

Mãe é atacada na cabeça após briga em grupo de WhatsApp da escola e para no hospital

“Ela escreveu dizendo que explodiria meu carro com o meu filho dentro", desabafou a mãe

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Reprodução/east2west news)

Os grupos de pais no WhatsApp se transformou em um dos principais geradores de conflito na relação entre pais de uma mesma turma e também na relação da família com a escola. Infelizmente, na Rússia, uma briga que começou em um grupo de mães no WhatsApp terminou no hospital. Enquanto levava o filho para a escola em São Petesburgo, uma mãe foi atingida oito vezes na cabeça com um lixador metálico de unha.

Anastasia Markova, de 27 anos, bloqueou na rede social a mãe de uma criança recém-matriculada na escola, porque a considerava “agressiva” e “muito reclamona, sempre falando sobre o quão pobre era“.

Segundo Anastasia, Lyudmila Balkovaya-Kunitskaya, de 28 anos, estava incomodando outras mães ao contar que tinha fugido da zona de guerra no leste da Ucrânia e perguntado se as outras mães poderiam ajudá-la com dinheiro.

Lyudmila Balkovaya-Kunitskaya foi bloqueada do grupo (Foto: Reprodução/east2west news)

Depois de ser bloqueada, Lyudmila contra-atacou e disse que a rival era “esnobe” e que “se considerava uma imperatriz russa”. A briga terminou em uma luta corporal na escola dos filhos: Lyudmila alegou que a outra mãe foi a primeira a atacar. “Ela ficou empurrando o carrinho de bebê, para virar de cabeça para baixo, com o meu filho de um ano de idade lá dentro”, disse em entrevista ao jornal britânico Mirror.

“Eu tinha que me proteger”, retrucou Anastasia. Lyudmila admitiu que usou um lixador de unha para atacar a outra mãe, que ficou com a cabeça sangrando depois da briga.

Lyudmila disse que a outra mãe foi a primeira a atacar (Foto: Reprodução/east2west news)

Anastasia negou ter sido a primeira a atacar e disse que a outra mãe estava ressentida por ter sido excluída do grupo do WhatsApp. “Ela escreveu dizendo que explodiria meu carro com o meu filho dentro. Na manhã do ataque, ela falou que me mataria”, disse.

Professoras correram para separar as duas. Anastasia foi levada ao hospital e tratada, com vários ferimentos na cabeça. “Eu tenho oito buracos na minha cabeça. Os médicos tiveram que fazer pontos”. Enquanto a polícia examinava as provas, as mulheres seguiram discutindo sobre o WhatsApp. A polícia informou que está “estudando todas as circunstâncias do conflito”, segundo o jornal britânico Mirror.

Leia também:

Grupos de mães e pais no WhatsApp: amar ou odiar?

Grupo de WhatsApp da escola ajuda ou atrapalha? 6 regras para usar o recurso sem expor seu filho

Mãe desabafa após sogra cortá-la de todas as fotos do 1° aniversário da filha: “Estou furiosa”