Mãe entra na justiça para que filho autista tenha direito à tratamento completo pelo plano de saúde

O filho foi diagnosticado com autismo e precisaria de quatro tipos de tratamento para que o desenvolvimento da criança não fosse comprometida, porém, o plano de saúde não queria pagar pelos procedimentos

Resumo da Notícia

  • Uma mãe precisou entrar na justiça para que o filho autista recebesse um tratamento completo
  • O plano de saúde não cobriria todos os gastos porque não estava incluso
  • A criança seria prejudicada sem os quatro tipos de tratamento
  • Um juiz determinou que ele teria direito aos procedimentos
(Foto: reprodução/ Getty Images)

A 5ª Vara Cível da Comarca de Santos, São Paulo, determinou que o plano de saúde autorizará a cobertura de tratamento multidisciplinar para criança com autismo, depois que uma mãe entrou na justiça para lutar pelos direitos do filho.

-Publicidade-

Terapia psicológica, fonoaudiologia, terapia ocupacional e psicopedagogia pelo método ABA (sigla em inglês para Análise do Comportamento Aplicada), são os tratamentos serão fornecidos para esse paciente, cujo plano de saúde não iria fornecer.

Segundo o site Consultor Jurídico, o filho de uma mulher a criança foi diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista, necessitando de intervenção comportamental intensiva, e, segundo a prescrição médica, de tratamento multidisciplinar com diversas terapias, por tempo indeterminado.

-Publicidade-

A mãe precisou alegar que sem as terapias, o desenvolvimento global do filho seria prejudicado, especialmente as habilidades necessárias para a inclusão social. O plano de saúde negou cobrir os gastos do tratamento, afirmando que não consta no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

O juiz José Wilson Gonçalves afirmou que cabe ao profissional da área indicar o tratamento adequado ao seu paciente, “não se admitindo interferência do convênio para este fim, sob pena de violar o próprio objeto contratado, qual seja, a proteção da vida e da saúde do segurado”, segundo o site.

“A negativa da ré sob o pretexto de os tratamentos/procedimentos pleiteados não estarem cobertos na apólice contratada e/ou por restarem ausentes do rol de procedimentos obrigatórios da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, revela-se abusiva, ainda mais quando veio fartamente documentada nos autos, a necessidade do tratamento multidisciplinar atestada por prescrição médica emitida por profissional responsável e habilitado para tanto”, afirmou o juiz.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

    -Publicidade-