Mãe faz alerta sobre covid-19 em crianças após filha contrair a doença: “Dias de muita tensão”

Por mais que seja raro que crianças tenham casos graves da covid-19, Andressa Reguine passou por momentos desafiadores com a filha, Gabriela, que foi contaminada com o novo coronavírus

Resumo da Notícia

  • Andressa Reguine fez alerta sobre a covid-19 em crianças após a filha quase ser internada com a doença
  • Ela apontou que os sintomas na menina foram muito semelhantes a uma alergia
  • Por mais que casos graves do novo coronavírus seja raro em crianças o cuidado nunca é pouco!

Por mais que seja raro que crianças tenham casos graves da covid-19, Andressa Reguine passou por momentos desafiadores com a filha, Gabriela, que foi contaminada com o novo coronavírus, chegando , inclusive, a quase ser internada com a doença.

-Publicidade-

A mãe comentou que a doença começou a se manifestar na menina com um leve inchaço das pálpebras, logo depois veio a febre e em seguida um pouco de vômito. Preocupada a responsável levou a filha durante a madrugada a um pronto atendimento, no qual Gabriela ficou no soro, fez exames e tomou alguns medicamentos intra venosos.

Em seguida a doutora que atendeu a criança receitou para ela um remédio antialérgico para prosseguir com o tratamento em casa e não descartou o novo coronavírus, passando um exame de PCR para ela fazer no 3° dia dos sintomas (em busca de ter um resultado mais preciso).

Ao voltar com a menina para casa a febre continuava constante e o rosto da menina inchava cada vez mais, no entanto os vômitos haviam parado. “A situação piorando cada vez mais, ela não estava querendo se alimentar direito e quando chegou no terceiro dia de sintomas começaram a surgir as aftas, o que preocupou muito”, conta Andressa. No mesmo dia ela fez o exame de PCR e logo em seguida a mãe e filha foram ao hospital, onde fez novos exames de sangue, raio x, e, felizmente as funções respiratórias da pequena estavam normais.

Andressa abriu o coração sobre a covid-19 em crianças, após filha quase ser internada (Foto: Getty Images)

Gabriela começou a tomar medicamentos para acelerar a redução do inchaço facial. A menina conseguiu se estabilizar no hospital, no entanto, o exame de sangue apontou a coagulação do sangue muito acima do normal, e os médicos chegaram, inclusive, a cogitar dela ser internada na CTI Infantil.

“Por conta da suspeita de covid-19 e para ela não desidratar fiquei assustada com a possibilidade (dela ser internada) mas a equipe médica a liberou por causa da resposta positiva à medicação intravenosa e receitou com novas medicações para tratar em casa, na promessa de nós retornarmos no sábado para fazer outro exame de sangue para acompanhar a coagulação”, disse.

No dia seguinte chegou o resultado positivo para o vírus.  “No momento fiquei muito triste, mas com ele teve como justificar tudo que estava acontecendo com ela”, desabafou a mãe. No mesmo dia, segundo Andressa, ela começou a melhorar significativamente, tanto o inchaço começou a diminuir quanto as febres abaixaram. Gabriela até estava conseguindo até se alimentar melhor.

Por mais que sejam raros casos severos da covid-19 em crianças, todo cuidado é pouco! (Foto: Istock)

No sábado a dupla voltou ao hospital para fazer os exames e ver como estava a coagulação no sangue da filha. O resultado foi que a coagulação se normalizou, mas a parte de imunidade e defesa do organismo dela estava baixa. “A doutora me passou um remédio para ajudar a levantar a imunidade dela e me orientou que ela não poderia mais apresentar febre, se não ela teria que retornar ao hospital para possivelmente interná-la na CTI.

Com final feliz, Gabriela reagiu bem às medicações e a febre não voltou mais. Com muitos desafios durante o tratamento a mãe relatou: “Foram dias de muita tensão, mas ao mesmo tempo de muita fé em Deus, confiando sempre”. Ela ainda deixou um alerta: “A covid-19 está atingindo as crianças, pude ver na emergência na qual fui que tinha, muitas crianças com suspeita do vírus e, inclusive, muitas delas com sintomas que pareciam alergia”.

Andressa ainda disse que por mais que tenha um bom plano de saúde não é garantia que haverá vagas para internação caso necessária, já que “tudo está lotado”. “O quadro de covid realmente é muito preocupante e desolador”, afirma.

Coronavírus em crianças

Nos últimos meses, os hospitais têm feito um alerta sobre o aumento de casos de coronavírus em São Paulo. Com as crianças, não foi diferente. De acordo com o Sabará Hospital Infantil, especializado no atendimento pediátrico, essa taxa foi ainda maior em novembro. ““Em relação aos testes para SARS-CoV-2, entre os exames coletados durante outubro, tivemos 53 amostras positivas, enquanto em novembro foram 101, o que representa um aumento de 90%”, explicou o gerente médico e infectologista Dr. Francisco Ivanildo Oliveira, do Sabará Hospital Infantil.

É superimportante reforçar as medidas para prevenir o contágio de crianças e adultos. Como estratégia, tem se adotado o convívio social em bolhas, pois se ocorrer a contaminação, ela permanece em um grupo menor, sem que ocorra a expansão para outras pessoas. Desta maneira, vale lembrar sobre evitar contatos desnecessários, como aglomerações e participação em festas e eventos.

Veja como ajudar o seu filho com a covid-19 (Foto: Getty Images)

“A bolha social é ampliada a partir do momento em que tiramos as crianças de casa ou se os pais participam de atividades sociais. Por isso, o retorno às aulas deve ser encarado com toda atenção. Além disso, é importante salientar que a vida na escola não traz apenas benefícios de aprendizados, mas também psicológicos e de socialização. Dessa maneira, seguir todos os protocolos de saúde para evitar contaminação tanto entre as crianças como nos profissionais da educação é fundamental”, comenta o especialista.

Com um protocolo para a retomada das aulas, o Sabará Hospital Infantil se uniu com diversas instituições para orientar pais, alunos e professores durante a pandemia com o Sabará nas Escolas. “Como não somos educadores de crianças e adolescentes, temos capacidade limitada para avaliar todas os aspectos operacionais e logísticos das atividades executadas em uma sala de aula ou escola. Entretanto, esse será um trabalho em conjunto, desenvolvido a partir das diretrizes nacionais e internacionais com especialistas, educadores e os pais para minimizar os riscos de contaminação“.