Criança

Mãe faz relato sobre disciplina: “Ser delicada com meus filhos só resultou em malcriação”

A publicação teve mais de 36 mil compartilhamentos

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

(Foto: Getty Images)

“Você precisa de um tempo para pensar” e “Vá para seu quarto” são punições que os pais costumavam ensinar para seus filhos ao longo dos anos. Uma pesquisa do Centro de Pesquisas Pew concluiu que cerca de 41% dos pais com crianças de até 6 anos fazem isso com os filhos.

Mas uma mãe deixou claro no Facebook que ela acredita que esse tipo de educação pode ser prejudicial. E a postagem rapidamente viralizou com mais de 36.000 compartilhamentos e mais de 6 mil comentários.

Laura Muhl, mãe de Evelyn, de 6 anos, e Scarlett, de 1 ano, compartilhou seu post com algumas palavras do livro “The Gentle Parent: Disciplina Positiva, Prática e Eficaz”: “Talvez os adolescentes se isolem quando estão sobrecarregados ao invés de virem até nós com seus problemas é porque quando são crianças nós os isolamos ao invés de ajudá-los com os problemas”.

Ela disse que essas palavras a ajudaram porque ela se lembra de ter sido punida quando era criança ao invés de falar sobre seus sentimentos. Ela acredita que isso a levou a hesitar em seus relacionamentos e sofrer de ansiedade e depressão quando adulta.

A publicação de Laura viralizou (Foto: Reprodução / Laura Muhl)

O post dela passou a explicar que as crianças pequenas fazem birras na tentativa de lidar com as emoções e se comunicarem com adultos. “Eles precisam organizar, processar e expressar seus sentimentos de maneira saudável”, ela escreveu. “E a sociedade nos diz que devemos puni-los por isso. Mande-os para o seu quarto, coloque-os para pensar e todas essas coisas”.

De acordo com Laura, essas ações ensinam as crianças a esconder suas emoções, ao invés de se expressarem. Isso os segue até a adolescência, época em que ela diz que os pais querem que o filho se abra para eles, mas ele já não está preparado para isso. “Dê ao seu filho permissão para sentir. Deixe-o saber que seus sentimentos são válidos e que você se importa. Certifique-se de que eles saibam que são ouvidos”, escreveu.

Muitas pessoas comentaram concordando com o posto de vista de Laura. Mas outras sentiram completamente o oposto.

“Dizer para eles que eles não devem fazer birras ou ficarem chateados não é dizer que eles não devem mostrar os sentimentos. Eu proíbo alguns comportamentos dos meus filhos porque estou tentando ensiná-los a mostrar apropriadamente suas emoções. Fazer birra gritando ou jogando um brinquedo não é uma reação apropriada de mostrar suas emoções“, disse uma mãe.

“Eu tentei essa coisa de ser delicado e tudo que resultou foi meus filhos se comportando mal, sendo desrespeitosos e pensando que eles eram os chefes. Não concordo com isso. Colocá-los para pensar sozinhos no quarto é uma maneira perfeitamente aceitável de ensinar uma criança que ela errou”, disse outro pai.

Laura sabe que esse é um assunto sensível para alguns pais, então ela ficou surpresa com alguns comentários agressivos. Ela diz que muitas pessoas não souberam interpretar o que ela disse, porque ela nunca disse que não devemos disciplinar as crianças. Muito pelo contrário: ela conta que acha que as crianças podem ser disciplinadas, mas de maneiras diferentes, sem punições, silenciamentos e “deixar que elas tirem as próprias conclusões”.

“É importante que os pais ajudem as crianças a se acalmarem durante as birras, sentando-se com elas e tentando entendê-las”, ela diz. Laura acredita que usar um método que apoie o desenvolvimento emocional ensina habilidades que as crianças podem usar sempre que forem confrontadas com algum problema no futuro.

Leia também:

Chicco faz evento para falar sobre a importância da educação e disciplina das crianças

Com dedicação, professora cria método que consegue unir classe indisciplinada

Está difícil disciplinar seu filho? A gente te ajuda!