Mãe fica furiosa ao descobrir que berçário está chamando a filha por outro nome

Paris afirmou, em um post publicado no Facebook, que não deixará que a escola na Nova Zelândia “apague a ancestralidade da filha” ao chamá-la por um nome que não representa a herança cultural da família

Resumo da Notícia

  • Uma mãe ficou furiosa ao descobrir que estão chamando a filha por outro nome na creche que ela frequenta
  • Segundo os profissionais do local, a decisão foi tomada pois o nome da menina "é muito difícil de pronunciar"
  • Paria fez um desabafo sincero sobre o ocorrido no Facebook, e chamou a atenção dos internautas

Uma mãe ficou furiosa ao descobrir que a filha está sendo chamada por outro nome na escola – e ainda mais brava ao perceber o motivo. Paris é mãe de Mahinarangi, de 5 anos que, na escola em que frequenta, é chamada de Rangi. Os funcionários do local afirmaram que essa decisão foi tomada pensando na dificuldade de pronunciar o nome da criança.

-Publicidade-

Segundo a mãe, o nome da filha foi especialmente pensado na ancestralidade da família. Isso porque as duas vem de uma tribo Maori da região central da Ilha do Norte da Nova Zelândia. Nesse contexto, o nome da menina quer dizer “lua no céu” – e negá-lo é ir contra as crenças pessoais da família.

Paris fez um relato furioso no Facebook
Paris fez um relato furioso no Facebook (Foto: Reprodução/ The Sun)

“Estou triste que em 2021, em Aotearoa, uma menina de 5 anos tenha perdido o orgulho que vem com seu lindo nome”, escreveu. “Você consegue imaginar seu filho com vergonha de dizer o nome porque as pessoas não fazem um esforço decente para pronunciá-lo corretamente? Isso me deixou com muita raiva, especialmente porque eles usavam os recursos Māori em suas aulas”, desabafou ainda.

Ao portal News Aus, a mãe ainda relembrou momentos do passado em que tribos tiveram seus nomes alterados por causa da colonização. “Meus ancestrais mudaram seu nome original de Perepe-Perana para Phillips por causa da colonização”, disse. “Não vou deixar algo semelhante acontecer com minha filha”.

“É importante que nossos filhos confiem em seus nomes, independentemente de sua etnia”, disse Tautu. Nossa linguagem não é complicada, pronunciar um nome corretamente é muito importante para nós. Seu nome é sua identidade. Seus pais lhe deram seu nome por um motivo”, afirmou, enfim.

A mãe afirmou que não quer apagar a ancestralidade da filha
A mãe afirmou que não quer apagar a ancestralidade da filha (Foto: Reprodução/ The Sun)

Nas redes sociais, recebeu muito apoio de internautas na causa. “Com preguiça de pronunciar … a escola do meu filho também se recusa a pronunciar o maori corretamente, sempre de propósito, eu me encolho porque é muuuito desrespeitoso”, desabafou uma mãe no Facebook, seguida ainda de, “Esse professor precisa se aprimorar e aprender exatamente como se espera que seus alunos façam, liderar pelo exemplo”.