Criança

Mãe pesquisa e compartilha o que a ciência realmente diz sobre a diferença entre menino e menina

Você acha seu filho diferente da sua filha? Leia esse texto!

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

“Em uma manhã fria meu filho de 3 anos pulou por todos os cômodos da nossa pequena casa, assim como no sofá e nas cadeiras da sala de jantar. Na verdade, o mini trampolim comprado apenas para canalizar tais desejos era o único móvel sobre o qual ele não pularia. Quando seu cabelo laranja voou pelo corredor em direção ao nosso recém-nascido adormecido, eu fui atrás dele. Ele abruptamente inverteu a direção e colidiu comigo, esticando meu dedo mindinho para fora em um ângulo de 90 graus. Meu cérebro registrou um pop audível pouco antes do fogo gelado da dor.

No dia seguinte, meu pé estava tão inchado que mal suportava meu peso. Meu filho me cumprimentou com seu costumeiro abraço, pisando no meu dedo e mais uma vez provocando um som estalado. Virei-me para o meu marido, acenei “tudo pronto” na linguagem de sinais e voltei para a cama. Quando acordei, a agonia desapareceu milagrosamente. O diagnóstico do médico: meu filho acidentalmente deslocou e depois colocou meu dedo do pé no lugar de volta.

Mesmo durante os momentos mais frenéticos de seus “terríveis dois anos”, sua irmã mais velha nunca atingiu tamanhas atividades. Mas ela escalou escadas, venerou dinossauros e cobiçou canteiros de obras com tanto fervor que eu resisti à ideia de que “garotos são garotos”. No entanto, agora eu estava vendo uma diferença real de gênero. Então comecei a ler.

Sabedoria convencional

A primeira coisa que minha pesquisa online encontrou foi um bando de educadores experientes afirmando que meninos e meninas agem de forma diferente. Muitos deles usavam anedotas ilustrativas, como naquela época em que uma menina de 4 anos enrolava amorosamente um caminhão de lixo enquanto seu par masculino empunhava uma boneca como uma arma.

Depois, encontrei estudos que afirmavam aquela imagem, demonstrando diferenças nos níveis de atividade de meninos e meninas, interesses e muito mais. Então eu sabia que meus filhos não eram discrepantes, mas eu precisava de mais ciência para descobrir se o comportamento de gênero deles era biologicamente predeterminado. Eu me voltei para livros.

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Os mais fáceis de encontrar me disseram exatamente o que eu esperava ouvir. Autores populares como Leonard Sax, o terapeuta Michael Gurian e a psiquiatra Louann Brizendine, dizem que cérebros masculinos e femininos são programados para serem diferentes, com meninas entrando no mundo melhor equipadas para empatia e comunicação. Em “Por que o gênero é importante”, o dr. Sax diz aos pais que “trabalhem com as propensões inatas baseadas no gênero do seu filho”, como a compreensão naturalmente superior dos meninos sobre os sistemas e programações.

O poder dos pais

Eu encontrei alguns livros oferecendo uma perspectiva alternativa e estendi a mão para esses autores. Lise Eliot, professora de neurociência na Rosalind Franklin University, em North Chicago, e autora de Pink Brain, Blue Brain, explicou o conceito de “plasticidade neural” para mim. A gente tende a pensar nos cérebros humanos como se desenvolvendo do nascimento ao túmulo de acordo com um projeto biológico, mas a cada dia nossas experiências levam ao crescimento em alguns circuitos e sinapses, enquanto em outros momentos param de evoluir.

Isso significa que, quando a tecnologia de neuroimagem mostra diferenças de gênero nos cérebros adultos, essas diferenças poderiam estar biologicamente destinadas, mas é provável que elas estejam assim porque os homens e as mulheres tiveram experiências diferentes ao longo de sua vida. O confuso “cérebro” com a “natureza”, disse ela, é comum e problemático.

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Para descobrir o que é a galinha e o que é ovo, os cientistas observaram crianças muito pequenas, imaginando que podemos culpar com mais confiança as diferenças em genes e hormônios, em vez do meio ambiente. Um padrão emergiu dessa pesquisa, e uma vez que mudou minha mentalidade, eu a vi no playground e no chão da minha sala de estar.

Um estudo não encontrou qualquer discrepância de gênero no contato visual dos recém-nascidos, mas quando o experimento foi repetido quatro meses depois com os mesmos bebês, as meninas quadruplicaram o contato visual enquanto os meninos evoluíram menos.

Ultra-sonografias durante a gravidez não mostram diferenças de gênero no nível de atividade antes do nascimento, e nenhum dos marcos motores é diferente entre meninos e meninas nos dois primeiros anos. Mas a partir dos 3 anos, o menino é mais ativo do que cerca de dois terços das meninas. Pesquisas sobre a preferência por brinquedos e habilidades de rotação mental seguem o mesmo caminho, com uma lacuna de gênero aparecendo apenas após vários meses de vida.

O que está acontecendo? Alguns cientistas diriam que “propensões inatas” demoram um pouco para se manifestar, mas há uma explicação concorrente. Outro corpo de pesquisa – em que adultos são enganados sobre a genitália – prova que as pessoas tratam as crianças de maneira diferente com base no gênero, começando no nascimento. Um estudo envolve estimativa parental da capacidade de rastreamento dos bebês. As mães que foram convidadas a montar o declive de uma rampa em que seu bebê poderia engatinhar foram quase precisas em prever a capacidade dos meninos, mas subestimaram significativamente as meninas.

Ventilador e ar-condicionado podem ser usados, mas da maneira correta (Foto:iStock)

Ventilador e ar-condicionado podem ser usados, mas da maneira correta (Foto: iStock)

“Se os pais acham que as meninas são menos capazes que os meninos, isso vai afetar o desenvolvimento das crianças“, diz Rosalind Barnett, cientista sênior da Women’s Studies. Em outras palavras, quando dizemos às meninas para “terem cuidado”, mas comentam: “Que menino!”, quando os meninos tentam a mesma façanha, o estereótipo se torna uma profecia auto-realizável.

Um estudo descobriu que as mães falam e interagem mais com as meninas enquanto são pequenas. Outra pesquisa descobriu que os pais falam mais abertamente com as filhas sobre os sentimentos tristes enquanto usam palavras mais orientadas para a realização (como orgulho, vitória e top) com os filhos. Os pais também cantam mais para as meninas, e tanto as mães quanto os pais passam menos tempo com os meninos lendo e contando histórias, que são conhecidas por criar empatia.

Segunda suposição 

Isso significa que as únicas diferenças entre os cérebros de meninas e meninos são aquelas que criamos através da socialização? Bem, sim e não. “Os neurocientistas não descobriram nenhuma diferença estrutural ou de atividade neural, exceto que os meninos têm cérebros maiores, proporcionais ao tamanho corporal, diz o Dr. Eliot.

Embora cérebros masculinos sejam expostos a níveis mais altos de testosterona antes e depois do nascimento, os cientistas discordam sobre o quanto isso importa. Alguns citam pesquisas que sugerem que mais testosterona leva a uma preferência por “brinquedos de menino. Mas as meninas que praticam objetos rotativos em três dimensões – uma habilidade reforçada por conjuntos de construção e videogames – podem diminuir a diferença de gênero.

Como, então, alguns especialistas podem fazer afirmações tão definitivas sobre os diferentes cérebros de meninos e meninas? A maioria das teorias é baseada em um núcleo de verdade, mas são extrapoladas muito além do que os padrões científicos permitem, afirma o Dr. Eliot. Alguns estudos têm poucos participantes ou não envolvem seres humanos. Outros não podem ser reproduzidos, ou você terá cinco estudos dizendo uma coisa, enquanto outros cinco sugerem o contrário.

Leia também:

Colégio separa meninos e meninas

Quem começa a andar antes, meninos ou meninas?

Livro do dia: Clarice Lispector para meninas e meninos