Marta se emociona após derrota e discurso dela tem muito a ensinar para o seu filho

Marta é a camisa 10 da Seleção Brasileira de Futebol Feminino

Marta é a artilheira das copas e foi eleita a melhor jogadora do mundo 6 vezes (Foto: Reprodução/Instagram @martasilva10)

Marta, a nossa camisa 10 da Seleção Feminina, pode até não ter filhos, mas isso não faz dela uma pessoa menos inspiradora, muito pelo contrário. O discurso que ela fez após perder de 2×1 para a França pode ensinar muitas coisas para a geração que estar por vir.

-Publicidade-

Ela deu uma entrevista ao sair do campo e acabou emocionando o país inteiro. O depoimento que ela deu, mostra para as crianças a importância da humildade e o valor de saber aceitar a derrota. Afinal é com os erros que a gente aprende, não é mesmo?

Marta faz com que as crianças vejam que a vida é feita de momentos de alegria e de tristezas, até para quem já foi eleita 6 vezes a melhor jogadora do mundo. A atacante deixa bem claro que é importante ensinar, desde cedo, que é preciso “chorar no começo para sorrir no final”.

-Publicidade-

A atacante também pode fazer com que as meninas e os meninos tenham em mais fé em si mesmo, ela não vai estar lá para sempre e a nova geração vai ter que ser capaz de superar as marcas que ela alcançou. Marta ensina a ensinarmos as crianças, que só depende da gente e da nossa força de vontade.

O valor das coisas 

“A gente pede tanto, pede apoio, mas a gente precisa valorizar”, disse ao vivo, quando saiu do campo. Quanto poder em uma fala só. O discurso feito pela melhor jogadora do mundo, ensina as crianças a importância de reconhecer o valor das coisas. Saber valorizar o esforço.

“É querer mais, treinar mais, se cuidar mais, é dar conta pra jogar 90, mais 30 minutos, quantos minutos for. É isso que eu peço para as meninas”, muito além de incentivar apenas as meninas, a fala da Marta pode ser até um incentivo para você  para toda a sua família.

Veja parte da entrevista: “É um momento especial. A gente tem que aproveitar. Valorizar mais. A gente pede tanto, pede apoio, mas a gente precisa valorizar. É lógico que emociona. O momento emociona, eu queria estar sorrindo, ou chorando de alegria. Eu acho que é esse o primordial. Tem que chorar no começo pra sorrir no fim. É querer mais, treinar mais, se cuidar mais, é dar conta pra jogar 90, mais 30 minutos, quantos minutos for. É isso que eu peço para as meninas. Não vai ter uma Marta para sempre, uma Cristiane, uma Formiga. E o futebol feminino depende de vocês para sobreviver. Então pense nisso, valorize mais, chore no começo para sorrir no fim”.

Leia também: 

Seleção feminina: única mãe do time brasileiro desabafa sobre a dificuldade de conciliar maternidade e jogos 

Seleção feminina: Marta comemora gol contra Itália e levanta suspeitas de gravidez no time 

Futebol feminino: jogadora da Seleção Brasileira tem 22 irmãos e história de superação 

-Publicidade-