Menina faz enxertos de pele a cada 6 meses desde que sofreu acidente quando era bebê

Elizabeth Soffe teve 60% do corpo queimado em acidente doméstico, e agora depende desses procedimentos para sobreviver

Resumo da Notícia

  • Elizabeth Soffe mora na Inglaterra e depende de enxertos de pele semestrais para sobreviver, aos 7 anos de idade
  • A menina sofreu um acidente doméstico e teve 60% do corpo comprometido, quando ainda era bebê
  • Um aparelho de ar condicionado foi responsável pelo acidente
  • A família está em busca de aparelhos e tratamentos que substituam os enxertos

Elizabeth Soffe precisa passar por enxertos de pele a cada 6 meses para sobreviver. Com apenas 7 anos, a menina teve 60% do corpo comprometido quando ainda era bebê, por causa de um ar-condicionado quebrado. Agora, a família de Elizabeth busca aparelhos e tratamentos alternativos para os dolorosos enxertos semestrais.

-Publicidade-

Os pais da menina, na Irlanda do Norte, tentam arrecadas £ 130 mil, aproximadamente R$ 1 milhão, para comprar equipamentos de última geração que podem melhorar a qualidade de vida de Elizabeth. “O que aconteceu com Elizabeth mudou todas as nossas vidas”, conta Liam, aos 42 anos, pai dela, ao portal Mirror.

Elizabeth antes e depois das queimaduras (Foto: Reprodução/ Mirror)

O acidente fez com que Elizabeth perdesse parte da orelha, do cabelo e dos dedos. O berço dela pegou fogo quando ela tinha apenas 6 anos, por causa de falha técnica no ar-condicionado. Por causa disso, a menina passou por 70 cirurgias e um período em coma – os médicos consideram a sua vida, assim, “um milagre”.

“Elizabeth está completamente coberta de enxertos de pele. Sua pele não cresce na mesma proporção que deveria, não é elástica como a pele normal, então, ela precisa de operações de enxerto de pele para liberá-la, especialmente em torno dos pulsos, cotovelos e pescoço, que ficam bem tensos. Quando ela era bebê, fazia essas operações a cada dois dias e eram grandes operações de nove horas, tirando a pele de suas costas, que era o único lugar que não tinha queimado porque ela estava deitada. Então eles apenas esperavam ela crescer para fazer novamente. Com o passar dos anos, as operações tornaram-se menos frequentes. Antes da Covid, era uma vez a cada seis meses”, explicou Liam, sobre a necessidade de enxertos.

Elizabeth precisa de enxertos de pele semestralmente (Foto: Reprodução/ Mirror)

A máquina para a qual toda a família de Elizabeth está juntando as economias para comprar possui um laser, que ajudaria diretamente a “afrouxar” a pele da menina – e descartaria a necessidade contínua de enxertos.

“A esperança é que esta máquina reduza o número de operações que ela terá de fazer, e ajudar outras crianças como ela, que tenham queimaduras ou cicatrizes de grande porte. Não acho que Elizabeth jamais ficará livre de uma operação, ela precisará de reconstrução contínua nas mãos e logo terá uma para tirar o dedão do pé e implantar no local de seu polegar na mão esquerda. Mas se pudermos tornar essas operações menos frequentes, então vale a pena”, desabafou Liam.

Mesmo com o quadro grave de saúde, os pais de Elizabeth contam que ela é uma menina muito tranquila – e esperançosa. “Ela lida com tudo muito bem, mas, às vezes, recebe comentários negativos ou pessoas olhando e até mesmo adultos. Como pais, podemos proteger nossos filhos quando eles são pequenos, mas não seremos capazes de fazer isso para sempre. Ela pode lidar com os desafios físicos, mas são as coisas psicológicas e o impacto constante das pessoas olhando para os quais é mais difícil encontrar uma cura”, refletiu o pai da menina.