Criança

Menina que esperava por transplante de médula óssea tem sonho realizado em hospital e reação emociona

A ação foi feita por uma voluntária e mudou a vida de Alice

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

Alice conheceu sua personagem preferida (Foto: Reprodução / Gazeta do Povo)

Sabemos que ficar internado em hospital é sempre algo delicado e, para tentar melhorar essa situação, o Hospital das Clínicas em Curitiba realiza diversas ações especiais por meio de voluntários para alegrar a vida de todos que passam por essa situação. Um desses casos foi a de Alice Sottomaior, de 6 anos, que sonhava em conhecer a Ladybug, uma personagem de desenho animado e a surpresa ocorreu no último domingo, 30 de junho, antes de transplante de médula óssea que foi submetida.

Alice é de Foz do Iguaçu, no Paraná, e faz o tratamento desde os cinco meses, e a doadora da médula óssea para a menina foi a irmã, Anelise, de 11 anos e a mãe explicou o quanto essa surpresa beneficia o tratamento da filha.“Todo o tratamento já traz muitos efeitos colaterais e isso abala o psicológico da Alice e o nosso. Quando você alia empatia e atendimento humanizado, penso que o paciente tem mais chances de apresentar melhoras mais rápidas”, contou Cristiane para a Gazeta do Povo.

A responsável pela visita voluntária do Hospital foi a Suellen Choma, que contou como se sentiu na surpresa. “Foi maravilhoso. Você nunca vai saber a reação da criança e a dela foi sensacional. Ela ficou totalmente encantada. Você interpreta o personagem para que ela tenha aquele momento de magia”, ressaltou a voluntária.

A mãe explica que não estava no momento da visita e só ficou sabendo quando chegou ao hospital e a filha contou a novidade toda animada para ela. “Eu não estava aqui no momento e quando eu cheguei ela já veio falando: ‘mãe, você não vai acreditar quem veio aqui: a Ladybug. Era ela de verdade! Ela me deu a máscara e tudo”, relatou a mãe da menina, a pedagoga Cristiane Pricilla Sottomaior.

A visita, além de ter ajudado no tratamento da menina, mudou também a sua alimentação. “O pai dela comentou que ela não gostava de comer caldinho de feijão, aí eu falei que o Cat Noir – parceiro da Ladybug no desenho – não veio porque estava pulando por aí e que ele come muito caldinho de feijão. Quando saí, perguntei o que ela iria comer e a Alice disse que seria o caldinho”, destacou Suellen, voluntária do HC.”

E os planos da menina já são grandes. “Segundo a Alice, agora ela tem a máscara da Ladybug, faz parte do time da heroína e vai ajudá-la a salvar o mundo”, disse a mãe de Alice. O trabalho humanizado faz total diferença no momento que a pessoa está debilitada.

Leia também:

Calouros de medicina deixam crianças com câncer rasparem seus cabelos em trote solidário

Relato de mãe: “Minha filha sobreviveu duas vezes ao câncer e ela tem apenas 6 anos”

Vitor Kley leva criança que luta contra o câncer ao palco para cantar e vídeo emociona seguidores