Menino de 7 anos escreve livro e doa diversos exemplares para escolas municipais

Miguel Pequeno contou com a ajuda da mãe para realizar essa vontade. O objetivo é que outras crianças tenham acesso à literatura

Resumo da Notícia

  • Um menino de 7 anos, ainda em fase de alfabetização, escreveu um livro e doou 200 exemplares para a comunidade local
  • Ele recebeu o apoio da mãe para conseguir concretizar a vontade
  • "Sapeca e Seus Amigos" tem objetivo de inserir mais crianças na literatura

Miguel Pequeno tem apenas 7 anos de idade, mas já mostrou que todos podem ajudar de alguma forma. O menino de Itaquaquecetuba resolveu fazer uma boa ação para a comunidade e contou com a ajuda da família para realizar o sonho.

-Publicidade-
Um menino em fase de alfabetização escreveu um livro com ajuda da mãe e doou para algumas escolas (Foto: Shutterstock)

Mesmo ainda em fase de alfabetização, ele escreveu um livro (“Sapeca e Seus Amigos”) e recebeu o incentivo e suporte da mãe, Elisângela Pequeno, para doar 200 exemplares para escolas municipais da região, de acordo com o G1.

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

“Como eu estava desenhando bastante na pandemia, minha mãe disse ‘vamos fazer um livro’. Então fizemos esse livro para divertir as crianças“, disse ele em entrevista ao G1. A ideia deles é realmente fazer com que mais estudantes entrem em contato com a leitura.

A mãe reforçou que sempre incentivou esse hábito em casa e falou sobre a emoção de conseguir expandir essa ideia: “Os exemplares de ‘Sapeca e Seus Amigos’ foram doados para várias escolas municipais e eu acho muito importante porque não são todas as pessoas que conseguem adquirir livros. Muitas crianças não têm esse acesso, então saber que o livro está lá e que alguma criança vai pegar e se encantar é muito prazeroso!”.