Criança

Meu filho não tem medo de nada, e agora?

Até uma certa idade é normal, mas não para sempre; psicóloga explica o que fazer nesses casos

Ana Beatriz Alves

Ana Beatriz Alves ,Filha de Maria de Fátima

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Já falamos sobre as crianças que são medrosas e como ajudá-las a superar isso. Mas e as crianças que não sentem medo de nada? Lívia Marques, psicóloga e mãe da Maria e do Miguel, fala que é normal uma criança não sentir medo. “Ela nasce pura e, aos poucos, vai desenvolvendo o medo porque nós, adultos, vamos apontando o que é perigoso e o que não é.”

A gente nasce sem filtro algum e, por isso, criança tem instintos puros que ainda não foram lapidados. Portanto, o nosso papel como pais é explicar, de forma clara, que o que ela fizer ou falar vai trazer diferentes consequências. Agora, se depois que você explicou, ainda assim, seu filho continua se arriscando, isso pode ser considerado um comportamento incomum e perigoso. Luciana Brites, psicopedagoga, uma das fundadoras do Instituto NeuroSaber e mãe da Helô, do Gustavo, e do Maurício explica que o medo é um fator protetor para a nossa sobrevivência. “Nós estamos vivos hoje porque temos medo.”

A criança precisa sentir medo de se arriscar, se não tiver, ela mostra que não tem noção do perigo. Segundo Luciana, isso pode acontecer devido a alguns fatores. São eles:

1. Deficiência intelectual – Crianças assim costumam ter dificuldade para ter noção do perigo, do medo, e passam a ter muito mais acidentes, tanto domésticos como em geral;

2. Falta de noção do meio – Quando você deixa seu filho sem limites, ele não consegue ver coisas como sendo perigosas.

Por isso, o seu papel é bem importante. Você precisa contextualizar as coisas que ela pode e não pode fazer, sem colocar medo demais. Luciana explica que tem que mostrar a causa e a consequência. “Com crianças menores, você precisa deixar de forma mais concreta para ela entender a consequência que vai ter e perceber que machuca.”

O medo é bom. Contanto que não prejudique a rotina e a qualidade de vida, é importante para viver com segurança.

Leia também:

Meu filho é muito medroso! E agora? 

O fator medo 

7 dicas para ajudar as crianças a perderem o medo de ir ao médico