“Muito obrigado pela minha infância”, diz carta de menino de 9 anos à mãe morta em ataque russo

O embaixador da Ucrânia na ONU emocionou todos, ao ler uma carta escrita por um menino de 9 anos para a mãe que morreu por soldados russos

Resumo da Notícia

  • Um menino de 9 anos escreveu uma carta para a mãe que morreu em ataques russos, na Ucrânia
  • A carta foi lida pelo embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya
  • Na carta o menino agradecia pela infância e dizia que a mãe era a melhor do mundo

O embaixador da Ucrânia na ONU emocionou todos na última segunda-feira, ao ler uma carta escrita por um menino de 9 anos para a mãe ucraniana que morreu por soldados russos. Sergiy Kyslytsya usou a reunião do Conselho de Segurança da ONU para ler a carta, e emocionar a todos.

-Publicidade-

Como o embaixador explicou, a carta é escrita por um rapaz de 9 anos, por ocasião do Dia da Mulher, 8 de março. “Mãe, esta carta é o meu presente”, começou. “Obrigado pelos melhores 9 anos da minha vida, muito obrigado pela minha infância. És a melhor mãe do mundo”, continuou a carta lida por Kyslytsya e citada pelo El Mundo.

“Nunca te esquecerei. Desejo-te a melhor das sortes no céu. Desejo que chegues ao paraíso. Tentarei comportar-me bem para chegar ao paraíso. Muitos beijos”, concluiu a carta. O embaixador ucraniano explicou após a breve leitura que se tratava da carta de um rapaz de 9 anos da região de Gostomel, cuja mãe foi morta por soldados russos enquanto tentava fugir da guerra. Para ver a leitura completa, clique aqui! 

O embaixador da Ucrânia na ONU leu a carta da criança
O embaixador da Ucrânia na ONU leu a carta da criança (Foto: Reprodução/GloboNews)

O rapaz permaneceu no veículo da família até que os vizinhos o pudessem resgatar e levá-lo para um abrigo, disse o embaixador ucraniano. Para além desta carta, Kyslytsya leu outras cartas muito semelhantes – também de crianças, soldados e mães – que disse que “não deveriam ter de ser escritas”. “Se assim for, significa que algo correu terrivelmente mal, mesmo aqui nas Nações Unidas”, acrescentou ele.

“Significaria que o seu mecanismo de manutenção da paz e segurança internacionais não está a funcionar corretamente. Se não conseguirmos deter o Kremlin, cada vez mais crianças ficarão órfãs. Cada vez mais mães irão perder os seus filhos”, concluiu. Até agora, a ONU confirmou que 142 crianças foram mortas e 229 feridas na guerra na Ucrânia, mas avisa que os números reais serão muito mais elevados.