Criança

Mulher faz bonecas especiais para crianças com deficiência e o resultado é emocionante

Representatividade é muito importante

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

Essa é a Amy e a história dela é muito emocionante (Foto: Reprodução / Facebook A Doll Like Me)

Muitas crianças se sentem excluídas ao verem brinquedos estereotipados, principalmente aquelas com deficiência. É muito difícil encontrar brinquedos que elas se identifiquem, o que gera um sentimento de discriminação.

Pensando nisso, Amy Jandrisevits, de Wisconsin (EUA), decidiu fazer bonecas e bonecos para ajudar essas crianças. Dessa forma, ela criou o “A Doll Like Me” ou “Uma boneca como eu” em português, um projeto em que ela faz bonecos de pano que são iguais às crianças.

Amy quer que as crianças se sintam representadas em seus brinquedos (Foto: Reprodução / Facebook A Doll Like Me)

“As bonecas devem se parecer com seus donos e elas devem ser feitas com todas as cores, gêneros e tipos de corpo”, disse Amy em entrevista ao News.co.au. Ela fez bonecos com óculos, próteses, marcas de nascença, diferentes cores de pele e todo tipo de malformação. O objetivo do projeto é que as crianças se sintam incluídas e aceitas.

Amy criou uma página no GoFundMe que já arrecadou quase 35 mil dólares de uma meta de 50 mil. Ela fez uma parceria com um hospital infantil para dar essas bonecas para ajudar as crianças enquanto elas têm seus cuidados médicos. O dinheiro arrecadado na página a ajudará nessa missão, pois ajudará a pagar os materiais e o frete para cobrir o custo das bonecas que algumas famílias não podem pagar.

Ela divulga seus trabalhos na página do Facebook (Foto: Reprodução / Facebook A Doll Like Me)

Os fundos remanescentes serão utilizados para transformar a Doll Like Me em uma organização oficial sem fins lucrativos. “Não quero que nenhum pai ou mãe tenha que pagar por algo tão importante. A saúde mental é uma parte necessária e fundamental dos cuidados médicos”, ela diz na descrição da página.

Amy diz que seu desejo é que essas crianças entendam que o “normal” é ser diferente. Ela quer promover a autoconfiança e a aceitação da aparência delas: “Continuo costurando para que as crianças possam olhar para o rosto de uma boneca e se ver refletida nela”, conclui.

As crianças adoram as bonecas de Amy (Foto: Reprodução / Facebook A Doll Like Me)

Leia também:

Ana Cardoso defende: “Conviver com as diferenças é o maior aprendizado que a vida nos proporciona”

Piramos: conheça um parque aquático completamente adaptado para crianças com deficiência

Gêmeas fazem sucesso nas redes sociais por nascerem com diferentes tons de pele