Criança

Mulher manda mensagem para estranho e consegue ajuda para manter o tratamento de criança

A história é de emocionar

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

A mulher queria ajudar e sem querer ajudou mesmo (Foto: Reprodução/ Youtube ABC)

Algumas pessoas nos fazem acreditar que ainda existe gente boa nesse mundo e ter um pouco mais de esperança e fé na humanidade. É o caso de Bill, ele recebeu a mensagem de Abby Fink e acabou se tornando peça fundamental no tratamento de Noah Jakeman.

Abby estava tentando entrar em contato com um amigo da igreja, Alex, ele pai de Noah e está passando por uma situação muito difícil, o menino tem um tipo raro de epilepsia da infância e por conta disso está internado no hospital Infantil de Phoenix, nos EUA.

O menino chegou a ter o diagnóstico de falência de órgãos e para ajudar os amigos, Abby se colocou a disposição de fazer o jantar da família. Mas quando foi respondida descobriu que estava conversando com outra pessoas.

“Ei, irmão Jakeman, aqui é a irmã Fink, nós vamos levar seu jantar amanhã, e queria saber que horas seria uma boa hora para fazer isso?”, questionou primeiro. “Oh, o que você está me trazendo? Eu sou alérgico a frutos do mar “, respondeu Bill.

Noah já recebeu alta da UTI (Foto: Reprodução/ Youtube ABC)

Ops, número errado 

Foi então que Abby percebeu que tinha mandado mensagem para o número errado. A mulher contou porque havia se oferecido para entregar comida. Bill perguntou o que poderia fazer para ajudar e disse que não poderia orar, mas sim fazer doações.

Em entrevista a ABC, Abby comentou que “É incrível. Ele era um total estranho e de repente fez tudo isso para nós. Eu disse a Bill que ele era um anjo enviado para ajudar essa doce família“. Ela ainda explicou que o homem estaria fazendo isso para ensinar caridade ao filho.

Fique por dentro do conteúdo do Youtube da Pais&Filhos:

Leia também:

Menina autista tem crise na escola e mãe agradece funcionária pela ajuda inesperada

Notícia boa: número de pessoas dispostas a adotar crianças com mais de 5 anos sobe para 46%

Boa notícia: novo projeto garante tratamento no SUS para crianças com lábio leporino