Criança

Nada de peso pesado! Fique de olho na mochila do seu filho

Saiba quais problemas de postura a criança pode desenvolver

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

mochila

Seu filho já chegou na fase de não querer mais usar mochila de rodinha e agora quer se aventurar nos modelos com alças? Sim, essa fase chega para todos, porém todo cuidado é pouco! A gente tem que ficar de olho no peso da mochila. Isso pode refletir na saúde das crianças.

“Escoliose, hiperlordose, hipercifose, dores musculares e nas articulações, no pescoço e nos ombros são alguns dos problemas mais comuns observados nas crianças que carregam muito peso nas mochilas escolares”, explica a pediatra Priscila Zanotti Stagliorio, mãe de Lara. Materiais como cadernos, canetinhas, lápis de cor e dicionários, são coisas que não é preciso levar todos os dias. Sente com seu filho e veja se é preciso levar neste dia ou não.

A conta é simples: o peso ideal da mochila é 10% do peso corporal da criança. Por exemplo, se seu filho pesa 30kg, a mochila deve pesar cerca de três quilos, no máximo. “Exceder esse volume pode sobrecarregar a coluna. Por isso a criança desenvolve má postura, dores musculares, problemas de locomoção e até prejudica a formação óssea ao longo dos anos”, afirma Priscila.

Como escolher a mochila ideal?

Quando seu filho já tiver idade para escolher, vai acabar optando mais pelo design, mas procure sempre ter certeza se a mochila cumpre com os requisitos de segurança. É preciso saber o risco de toxidade da tinta, se as rodinhas são emborrachadas, zíper e outros itens de qualidade.

Para cada faixa etária, existe um tipo de produto mais indicado. Para crianças da pré-escola até o ensino fundamental I o ideal é que a mochila tenha rodinha. Para os que já usam mochilas de alça, procure por alças que sejam acolchoadas, reguláveis e com largura mínima de quatro centímetros. Por quê? As tiras estreitas podem causar dor e prejudicar a circulação do sangue.

Oriente seu filho a sempre usar as duas alças da mochila, para que o peso seja dividido nos dois ombros e diminua o risco de lesões musculares. Caso ele tenha algum incomodo ou dor muscular, procure o seu pediatra para saber se o sintoma tem relação com o peso da mochila.

Leia também:

Bebê na mochila: 10 modelos de cangurus bonitos e práticos

50 mochilas que a gente amou

Jeito certo de carregar o bebê pode evitar dores na coluna

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não