Pular para o conteúdo

“Não existe criança difícil, difícil é ser criança em um mundo de gente sem paciência e com pressa”

Você precisa ler esse texto que foi publicado no site A Mente É Maravilhosa

“Não existe criança difícil”, diz o texto (Foto: Getty Images)

Um texto publicado no site A Mente É Maravilhosa diz que: “não existe criança difícil, o difícil é ser criança em um mundo de pessoas cansadas, ocupadas, sem paciência e com pressa”.

-Publicidade-

Muitos pais, educadores, adultos em geral estão se esquecendo de uma das coisas mais fundamentais na educação de uma criança: as aventuras infantis. Isso tudo deixa os pais preocupados com o fato de uma criança ser alegre, enérgica, inquieta, ou seja, o comportamento normal de uma criança.

Crianças correm, gritam, brincam, são curiosas, gostam de experimentar e de pensar que o mundo inteiro é um parque de diversões. “Há pais e profissionais que não querem crianças, querem robôs”, diz o texto.

-Publicidade-

Para entender tudo o que está acontecendo, a publicação ressalta: “a agitação não é uma doença”. Os pais começam a autodiagnosticar os filhos com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

“Estamos supermedicando as crianças que vivem conosco porque elas mostram comportamentos perturbadores, não nos mostram atenção e parecem não pensar quando realizam as suas tarefas”, reflete a publicação. “Estamos medicando as crianças com anfetaminas, antipsicóticos e ansiolíticos, os quais podem causar consequências nefastas no desenvolvimento neurológico delas”.

Muitos especialistas recomendam que os pais parem de colocar o rótulo do TDAH em suas crianças, por conta de problemas que são desenvolvidos no meio familiar e da falta de oportunidades que as crianças têm para desenvolver suas capacidades.

Finalizando, o texto diz: “Deveríamos pensar em quais são as necessidades e quais são os pontos fortes de cada criança (…). A primeira coisa que devemos fazer é uma análise crítica de nós mesmos”.

Leia também:

TDAH: tudo que você precisa saber sobre o transtorno

Déficit de crescimento: diagnóstico precoce aumenta as chances de recuperação

Transtorno bipolar tipo maníaco é o mais comum em crianças

    -Publicidade-
    -Publicidade-