Criança

O que você precisa saber para um corte de cabelo sem trauma

Mudar o visual da criança pode ser tranquilo. Veja algumas dicas

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

o-que-voce-precisa-saber-para-um-corte-de-cabelo-sem-trauma

Para cortar o cabelo da Gabriella, de 7 anos, a mãe, Renata Pagano, precisa antes ter uma conversa séria para acalmar a menina. “Sempre converso com ela antes de cortar, porque ela é exigente. Sempre foi assim. O cabelo, assim como ela, deve estar impecável. Então falamos antes para evitar traumas”, comenta. “Sou vaidosa e ela se inspira e se espelha em mim.”

Já o Matheo, filho de Humberto Battistel e Drielle Ragazzi, tem apenas 3 anos, mas já é bem vaidoso e decide o próprio corte. “Ele geralmente quer alguma variação dos estilos moicano, arrepiado e topete. Matheo sai do banho com o cabelo penteado e em dia de festa faz questão de passar gel. E ainda quer que todos elogiem. Não ensinamos isso, é dele mesmo”, diz o pai. “Ele é estiloso com tudo, seja roupa ou acessórios. Adora uma novidade, e não poderia ser diferente com o cabelo.”

Não importa o momento em que o encontro da criança com a tesoura aconteça, mas assim como tantos outros primeiros momentos dos filhos este também marca a vida dos pais. Os pequenos talvez não se recordem muito bem, mas os adultos vão curtir, tirar fotos – mesmo com chororô –, e muitos com certeza irão guardar a primeira mecha.

O que vale mesmo é respeitar a personalidade dos pequenos, pois cada um reage de uma forma. Há quem dê escândalo para cortar a franja e tem quem ache o máximo ter o cabelo estilo Neymar. Cabe aos pais ter jogo de cintura para contornar o medo, deixa-los tranquilos e fazer com que a ida ao cabeleireiro seja uma diversão.

Renata achou um jeitinho especial para que Gabi não ficasse com nenhum tipo de trauma para cortar o cabelo. Brincar de salão de beleza, só as duas, além de ser muito divertido a deixa mais tranquila e familiarizada com o que ela encontrará quando for cortar as madeixas. “Eu faço hidratação com cremes infantis e coloco até papel-alumínio para descontrair, tudo de mentirinha. Então, quando tem que mexer no visual, ela já sabe que vai ser divertido e vai tranquilamente”. Brava ela fica se o penteado não está perfeito. “Quando preso, não pode ter um fio de cabelo levantado, tem que sempre ser lisinho”, diz a mãe.

 

A primeira tesourada

Por ser a primeira vez, pode bater certa insegurança, podem surgir dúvidas sobre onde levar, sobre o corte e, principalmente, sobre como a criança vai encarar essa novidade. É importante que os pais tenham alguns cuidados, afinal absolutamente tudo é novidade, principalmente para a criança, que nunca viu seus cachinhos se desfazerem no chão de um salão de beleza.

Hoje em dia existem muitas opções de cabeleireiros especializados em corte infantil. Pode valer a pena, porque eles oferecem um ambiente colorido e atrativo, as cadeiras são especiais, confortáveis e seguras, têm TVs com desenho, brinquedos e, o mais importante, profissionais pacientes e especializados, que são a garantia do corte bem-feito mesmo se a criança não ficar quieta. Nesses salões, cortar o cabelo pode ser mais divertido.

Por outro lado, há quem frequente o mesmo cabeleireiro há anos e não o troque por nada, nem que seja a última novidad