Pai de Ester relembra momentos finais com a filha: “Parece que ela já sabia”

Ester de Oliveira morreu após ser ferida com um tiro no tórax no último domingo, 11 de julho. O suspeito continua foragido

Resumo da Notícia

  • A criança levou um tiro na região do ABC e acabou falecendo
  • O pai dela afirmou que a paixão de animais era gigante
  •  Jorge Willians de Oliveira Sigoli, o pai, contou sobre algumas falas estranhas dela

 

-Publicidade-

o pai de Ester de Oliveira Sigoli, morta à tiros na região do ABC em São Paulo, no último domingo, 11 de julho, relembrou algumas falas que pareciam “sobrenaturais”, da filha no último mês de vida. O  desejo que começou a falar por aí era o de “morar no céu, com Jesus Cristo, para só brincar e ficar longe das pessoas que só brigam e pensam em dinheiro.”

“O sonho dela foi realizado, de uma forma cruel. Quando ela nos falou isso, respondemos que a gente [pai e mãe] ia ficar sozinho, sem ela. Mas minha filha falou que o Papai do Céu ia cuidar da gente. Parecia que ela estava prevendo o que ia acontecer”, afirmou Jorge Willians de Oliveira Sigoli, com voz de choro.

Momentos finais cheio de amor

Outro ponto relembrado por Sigoli foi grande paixão por animais da filha. “Ela tinha uma comunicação com os insetos, com minhocas, e a gente deixava ela se sujar na terra, pois ela adorava”, afirma o caseiro. Fotos de Ester segurando e brincando com os mais diversos bichos bombaram nas redes sociais.

Ester não tinha receio algum de brincar com qualquer animal (Foto: Reprodução / Jornal de Brasília)

Ester passou os últimos dias de vida fazendo o que gosta, segundo o pai. “No sábado e no domingo ela brincou com os primos, com as galinhas, com o galo e com o cachorro, e de bicicleta”, afirmou o caseiro. Ele ainda disse que apesar das tecnologias atuais, a filha ainda preferia brincar como antigamente, se sujando de terra e interagindo com os bichos.

O caso

Uma briga por vaga de garagem resultou em uma tragédia para a família Oliveira. A família chegava em casa de carro, com a pequena Ester e mais 3 crianças. Foi então que o assassino Bruno Freitas, o vizinho, saiu de casa e disparou com uma arma de fogo contra o carro. A criança foi atingida no peito e o pai Jorge também foi ferido. “Minha filha ficou em pé, no banco traseiro, gritando ‘papai, papai’. Foram as últimas palavras que ouvi dela, pois, depois que ela foi baleada, ficou inconsciente, acho que ela morreu antes de a gente chegar no hospital.”, contou.

Ferido, Jorge dirigiu com a filha para levá-la para o CHM (Centro Hospitalar do Município), e lá teve a morte dela confirmada. O suspeito de assassinar Ester, Bruno Freitas, já teve um pedido de prisão emitido e no momento encontra-se foragido da polícia. Caso você tenha alguma informação sobre o paradeiro dele, contate o 190 da Polícia Militar ou para Disque-Denúncia 181.