Criança

Pai descobre que filho tem síndrome de Down no parto e desabafa: “No ínicio, não conseguia tocar nele”

Spencer já está com 3 anos

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Spencer com o pai (Foto: Reprodução / Love What Matters)

Beau Brooks abriu seu coração e desabafou no site “Love What Matters” sobre como se sentiu quando descobriu que seu filho tinha síndrome de Down e como foi o processo de aceitação. Os pais só souberam no dia do nascimento de Spencer, no dia 18 de novembro e a o pai não conseguiu reagir muito bem. Ele tinha criado muitas expectativas e na hora, todas elas foram quebradas.

“Eu estava inconsolável. Eu gritava, chorava. Estava com raiva e confuso. Mas acima de tudo, eu estava com medo. Meu sonho não incluiu a síndrome de Down. Comecei a pensar em como a vida seria mais difícil – a despesa adicional, o estresse e o tempo de ter uma criança com necessidades especiais. Ele iria morar com a gente para sempre.”, assume.

“Eu não estava mais tendo um filho para jogar a bola, o filho para caçar e pescar, o filho que seria o zagueiro … Ao invés disso, eu agora tinha um filho que complicaria nossas vidas e dificultaria as coisas … e eu senti muita quantidade de culpa por ter esses sentimentos.”

Irmãs junto com Spencer (Foto: Reprodução / Love What Matters)

O diagnóstico foi entregue por volta das 10h e chorei por 10 horas seguidas. Eu não queria ver nem falar com ninguém. “Eu não queria nada com meu novo filho. Eu não conseguia tocar nele, nem segurá-lo. Eu nem queria vê-loNinguém poderia me consolar. Eu nunca me senti tão perdido e sozinho na minha vida.”

Um amigo de Beau, que também tinha um filho com síndrome de down, o chamou para jantar e conversar. Entre vários assuntos, ele afirmou que o pai tinha que lamentar a perda da criança que existia nas expectativas, está tudo bem lamentar e chorar porque seu filho não será o quarterback do time de futebol e não tem problema se sentir culpado. “Você precisa passar por essas emoções antes que possa realmente apreciar o presente que recebeu.” E naquele momento, Beau percebeu que precisava sofrer para aprender, novamente, a amar.

Ao voltar para o hospital, ele conta que finalmente conseguiu aceitar o fato do filho ter síndrome de Down. “Eu finalmente pude tocá-lo e segurá-lo e perceber que tudo ficaria bem. Ele ainda era meu filho. Eu amava ele.”

Família! (Foto: Reprodução / Love What Matters)

Beau desabafa e diz que hoje consegue ver que Spencer trouxe só alegria para vida da família, além disso fez com que todos se juntassem ainda mais. A paciência e compreensão do pai aumentou drasticamente e o fez percebeu o que realmente importa na vida.  “Ele transforma meus dias ruins em bons dias, me mostrou amor que eu nunca soube que existia”.

O pai começou um canal no Youtube chamado The Ups and Downs para poder compartilhar com outras famílias como é a experiência da família. “Filho, eu não toquei em você e nem te segurei durante as primeiras 12 horas da sua vida. Eu sinto muito por isso. Lamento por não ter comemorado sua vinda e ter tirado um milhão de fotos naquele dia. Me desculpe, eu te decepcionei. Eu sinto muito por ter perdido aquelas horas preciosas com você. Lamento não ter lhe dado o amor e o carinho que você tanto necessitava e merecia. Por favor me perdoe. Eu nunca imaginei que pudesse sentir amor como sinto por você”, finaliza com um desabafo sincero e emocionante. Lindo, né?

Leia também:

Crianças com Síndrome de Down cantam “Coisa Linda” de Tiago Iorc em libras e vídeo é de chorar 

Primeira professora com Síndrome de Down do Brasil: conheça quem é ela, mesmo! 

A importância da fonoaudiologia na Síndrome de Down