Pais gravam áudio de professora cometendo maus-tratos com menina autista de 2 anos

Após denúncias de maus tratos na Creche Municipal Nedy de Oliveira, em Pirassununga, os pais estão preocupados em deixar os filhos frequentarem o local

Resumo da Notícia

  • Uma menina de 2 anos com autismo sofreu maus tratos na Creche Municipal Nedy de Oliveira em Pirassununga
  • Os pais colocaram um celular gravando a rotina da filha enquanto ia para a escola
  • Ao retornar para casa, eles ficam incrédulos com a professora dizendo que iria trancar a menina no banheiro de novo

Uma menina de 2 anos com autismo sofreu maus tratos na Creche Municipal Nedy de Oliveira em Pirassununga. Os pais colocaram um celular gravando a rotina da filha enquanto ia para a escola, após suspeitas de maus tratos, ao retornar eles ficam incrédulos com a professora dizendo que iria trancar a menina no banheiro de novo.

-Publicidade-

Uma professora e duas auxiliares foram afastadas do local, e após a denúncia outros pais estão preocupados com os filhos frequentando o local. No áudio há também comentários sobre a roupa da criança, questionamento sobre a condição de autista da menina e tentativa de assustá-la. Ela foi transferida da escola e ganhou uma bolsa em uma unidade particular.

Ingrid Moraes e o marido esconderam um celular com o comando de gravador de voz ativado na mochila da criança e registraram um áudio da rotina na unidade, em 6 de maio. Em um trecho, uma profissional não identificada questiona se a criança, que chorava na ocasião, queria ficar ‘fechada’.

Os pais colocaram um gravador na bolsa da filha e conseguiram provas os maus-tratos que ela estava recebendo
Os pais colocaram um gravador na bolsa da filha e conseguiram provas os maus-tratos que ela estava recebendo (Foto: Reprodução/G1)

“Quer ficar aí fechada? Se você não parar, você vai ficar aí fechada”, afirmou na gravação uma das profissionais para a criança. Ingrid registrou um boletim de ocorrência e fez uma denúncia no Ministério Público. Além disso, ela acionou o Conselho Tutelar e também registrou a queixa na Secretaria Municipal de Educação.

“Só quero justiça pelo que aconteceu com a minha filha. Não podem fazer isso com uma criança, minha filha ficou traumatizada“, desabafou a mãe em entrevista ao G1 na quarta-feira. A menina foi diagnosticada com autismo nível três e não fala. “Minha filha não fala, ela não sabe pedir socorro. Ela parou de se alimentar, de sorrir, de brincar. Então foi muito radial. E, na quinta-feira da semana que eu coloquei o gravador, ela chegou da creche extremamente gelada, muito assustada. Aí ela fez uma posição que imitasse como se ela tivesse presa”, disse Ingrid.