Criança

Problemas na fala: saiba quando uma troca de letras precisa de atenção

Separamos dicas para estimular o seu filho no desenvolvimento da linguagem

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

Saiba quando se preocupar com a fala do seu filho (Foto: iStock)

Seu filho costuma trocar algumas letras quando está falando? Fique tranquila, isso é normal: faz parte da construção da fala e pode durar até os 4 anos de idade. Mas como saber que o caso do seu filho merece uma atenção especial?

Segundo a fonoaudióloga especialista em desenvolvimento infantil Raquel Luzardo, esse problemas acontecem pela dificuldade na produção de sons. Como a fala é aprendida progressivamente, os especialistas precisam notar se determinada dificuldade é ou não esperada na idade do seu filho. 

Segundo ela, o fonema /r/ é um dos que a criança têm mais dificuldade para falar, por exemplo.“Palavras como ‘parede’ podem virar ‘paiede’, assim como ‘prato’ pode estar sendo pronunciado como ‘pato'”.

“Mas como assim é telhado e não ‘teiado'”(Foto: Getty Images)

Por que meu filho fala errado?

Esse impedimento na fala pode ter várias causas. Segundo Raquel, ela pode ser neurológica, quando áreas do sistema nervoso podem apresentar lesões, dificultando a transmissão de impulsos nervosos para a musculatura responsável pela fala. Essa situação é comum em crianças com lesões motoras, como distrofia muscular e paralisia cerebral.

Se a causa for músculo-esqueletal, deformidades e alterações do músculo da fala, como língua e músculos da face, pode prejudicar a fala do seu filho. Segundo Raquel, são problemas como fissuras labiais e palatais.

Mas os problemas de fala podem não ter nenhuma decorrência muscular ou física. “Embora a criança possua uma integridade neurológica e das estruturas envolvidas na fala, existe uma dificuldade específica para a pronúncia de alguns fonemas. Na maior parte das vezes, são problemas deste tipo que levam as crianças ao tratamento fonoaudiológico”.

Essa situação pode estar diretamente ligada à sua casa e as pessoas que convivem com o seu filho. “Se tratamos uma criança como se ela fosse um bebê, provavelmente ela vai se comportar como um. E como é a regra, bebês falam errado.” Se você continuar falando com “voz de bebê” com o seu filho, ele vai reproduzir isso, pois é a única referência que tem. 

Converse com seu filho usando as palavra certas (iStock)

Sem exigir nada!

Mas precisa manter um equilíbrio. Você não pode exigir do seu filho aquilo que a idade não permite. Se até os 4 anos ele estiver falando errado e não existem causas físicas, você deve ajudá-lo a melhorar a fala. Geralmente são casos que precisam de fonoaudiólogo, mas um bom exercício na sua rotina já pode ajudar muito.

“Por exemplo, se a criança diz ‘O caio da mamãe quebo’ (O carro da mamãe quebrou), eu repetirei a mesma frase, mostrando que compreendi o que ela queria dizer e, ao mesmo tempo, dando-lhe o padrão de pronúncia correta: ‘Puxa! O carro da mamãe quebrou?’, explica a especialista.

Se sua reação for não aceitar que ela está falando errado por conta da idade, isso pode prejudicar muito a autoestima, deixando seu filho inseguro para falar. “Pior ainda, a criança pode criar, de si mesma, uma imagem negativa de falante e passar a evitar situações de comunicação”.

Cada um tem o seu tempo! (Foto: Getty Images)

Cada um no seu tempo

Segundo Raquel, a fala pode começar a surgir por volta dos 12 meses, mas como cada bebê tem seu tempo, alguns arriscam as primeiras palavras com 9 ou 10 meses. “Dos 12 aos 18 meses é a variação de tempo esperada para as primeiras palavras da criança”.

Mas se seu filho passou dos 2 anos e ainda não começou a falar, procure um fonoaudiólogo para um exame! “Não precisa ficar esperando até os 2 anos de idade para se saber se uma criança terá problemas em relação à fala. Observe se seu bebê gosta de brincar com sons, como se estivesse falando sozinho. Verifique se, apesar de não falar, ele é comunicativo“, conclui a especialista.

Leia também:

Boa notícia: novo projeto garante tratamento no SUS para crianças com lábio leporino

Síndrome de Down e autismo na mesma casa: isso não é problema, não!

Saiba como seu filho aprende a falar e como facilitar esse processo