Professor amarra criança em cadeira na sala de aula e é afastado

O caso foi filmado e mostrou o menino com o tornozelo preso no pé da cadeira com fita crepe em escola de Vitória, Espirito Santo

Resumo da Notícia

  • Um professor de uma escola no Espirito Santo foi afastado do trabalho após amarrar uma criança de 7 anos na cadeira da sala de aula na última sexta-feira, 11 de junho
  • A Prefeitura de Vitória disse que o profissional já foi afastado por medida cautelar
  • O aluno já está recebendo apoio e sendo acompanhado por profissionais da Semus e do Creas

Um professor de uma escola no Espirito Santo foi afastado do trabalho após amarrar uma criança de 7 anos na cadeira da sala de aula na última sexta-feira, 11 de junho. O caso foi filmado e mostrou o menino com o tornozelo preso no pé da cadeira com fita crepe.

-Publicidade-

Segundo o UOL, a Prefeitura de Vitória  disse que o profissional já foi afastado por medida cautelar e a Seme (Secretaria de Educação de Vitória) enviou uma equipe técnica na escola para apurar a denúncia. Ainda, segundo reportagem do ESTV,  alguns profissionais da escola disseram que o aluno estava muito agitado e que por isso foi amarrado pelo professor, mas não souberam dizer o que motivou a atitude do tutor.

O aluno já está recebendo apoio e sendo acompanhado por profissionais da Semus (Secretaria de Saúde) e do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), disse a Prefeitura de Vitória em nota. Ela também se solidarizou com a criança e repudiou, segundo o escrito, qualquer forma de violência.

Um processo administrativo disciplinar (PAD) está sendo aberto para investigar o fato no âmbito da Prefeitura de Vitória e a Polícia Civil do Espírito Santo confirmou que tomou ciência do fato na tarde de hoje e que o caso seguirá para apuração na DPCA.

Eles concluíram dizendo que a população pode auxiliar na investigação por meio do telefone 181, o Disque-Denúncia, ferramenta segura que não é preciso se identificar para denunciar. Todas as informações recebidas são investigadas e elas ainda podem ser enviadas por meio do site da Polícia Civil.