Criança

Professor é condenado por abusar sexualmente 87 vezes de alunos com deficiência

O criminoso registrava os abusos e depois divulgava em sites de pornografia infantil

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: iStock)

O professor de Música, Educação Física e Capoeira Pedro Henrique Barbosa, de 34 anos, foi condenado a 90 anos e 6 meses de prisão por estuprar 87 vezes dois de seus alunos menores de 12 anos e com deficiências

Um menino autista foi violentado pelo professor 53 vezes. Já uma menina, que tem uma síndrome que dificulta a comunicação, foi abusada sexualmente em outras 34. O criminoso já estava preso desde outubro do ano passado, quando foi alvo da Operação Mestre Impuro.

nesta quinta-feira pela 8ª Vara Federal Criminal de São Paulo acusado de  estuprar 87 vezes dois de seus alunos menores de 12 anos e com deficiências. Um menino autista foi violentado pelo professor 53 vezes. Já uma menina, acometida por uma síndrome que dificulta a comunicação, foi abusada sexualmente em outras 34.

Segundo a Agência O Globo, o homem registrava em vídeo os abusos sexuais e depois os divulgava em fóruns de pornografia infantil. Ele chegou a fazer parte de uma equipe multidisciplinar para o tratamento de crianças com necessidades especiais, como o autismo e a síndrome de Landau-Kleffner, que reduz a capacidade de comunicação.

O criminoso foi identificado pelo Ministério Público Federal paulista a partir da operação, deflagrada em julho de 2017, quando a polícia australiana localizou nos fóruns uma série de fotos e vídeos de pedofilia com o nome que Barbosa usava nos fóruns. Em julho de 2018, a Polícia Federal (recebeu uma informação de que o abusador sexual e autor das imagens seria Pedro Henrique Barbosa.

Foram encontrados ao todo 879 arquivos com fotos e vídeos de pornografia infantil — a maioria retratava os alunos do criminoso.

Como denunciar um abuso sexual

É comum — mas não normal — se deparar com notícias sobre abuso sexual contra crianças e adolescentes. São casos que podem envolver desde desconhecidos até pais, padrastos, professores e líderes religiosos. A violência vem de qualquer lugar e é isso que mais assusta. Denuncie, compartilhe, debata e até grite, se necessário. Ligue para o Disque 100 quando suspeitar de algo.

Vinculado à Secretaria de Direitos Humanos, o Disque 100 é um serviço que oferece proteção a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual e atua como poio, denúncia, amparo e orientação em todo o Brasil para apurar os fatos, proteger o menor e punir o criminoso. O canal funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Leia também:

Atenção! Vídeo explica para as crianças a diferença entre carinho e abuso sexual 

Menina escreve bilhete após palestra em escola denunciando o pai por abuso sexual

Assédio sexual: precisamos falar sobre isso