;
Criança

Psicólogo dá 3 dicas para criar uma criança forte emocionalmente

Dr. Kenneth é da universidade de Cornell, nos Estados Unidos

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

Pai e filha brincam de aviãozinho (Foto: Getty Images)

O psicólogo clínico Dr. Kenneth Barish, da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, contou ao Psychology Today que o reforço positivo regular e uma conexão emocional honesta são fundamentais para você criar filhos emocionalmente maduros, autoconscientes e felizes

Sobre coisas ruins ou não desejadas e como lidar com isso, ele fala: “As crianças aprendem lições inestimáveis ​​a partir de momentos de reparação. Elas aprendem que, embora nem sempre seja fácil, momentos de ansiedade, tristeza e raiva são, apenas momentos, e podem ser reparados. Desapontamentos são decepções, não catástrofes, e sentimentos ruins não duram para sempre”.

É difícil achar pais que não queiram que seus filhos cresçam fortes emocionalmente e felizes, mas como encontrar tempo para esses momentos cruciais em uma vida familiar difícil? Parece preocupante, mas não é. Segundo o Dr. Kenneth, apenas 10 minutos por dia já são suficientes para essas lições.

Ele diz que, na hora de dormir, você pode ter um momento a sós e descontraído com a criança para fazer um balanço e eliminar quaisquer pressões ou momentos tensos do dia dela. Se trabalhar a noite ou tiver mais que um filho, o psicólogo diz que esses 10 minutos podem ser divididos durante o dia e dá algumas outras sugestões:

  • Três minutos de manhã antes de se levantarem.
  • Três minutos, assim que eles ou você entrarem pela porta de casa.
  • E os três minutos antes de dormir.

Doses mais curtas e espaçadas também podem deixar a criança mais receptiva. “Estes pequenos reforços irão ajudá-los a passar o dia, com você como a raiz emocional e um lugar de conforto e estabilidade, não importa o que aconteça”.

Se você teve um dia ruim ou está irritado e, por algum motivo, se mostrou distante, agressivo ou frágil, Kenneth fala que é importante que peça desculpas para o seu filho. Isso mostra que, mesmo quando algo negativo acontece, há sempre um espaço seguro para conversar e seguir em frente: 

“Nestes momentos, as crianças começam a desenvolver uma perspectiva mais equilibrada, menos tudo ou nada. Como resultado, eles estarão mais aptos a regular suas emoções – eles serão menos urgentes em suas expressões de angústia, menos insistentes em suas demandas e capazes de pensar de forma mais construtiva sobre como resolver problemas emocionais”.

Leia Também:

Estudo comprova que o segundo filho é o mais arteiro de todos

No verão é mais legal! Estudos comprovam que bebês que nascem em fevereiro são mais criativos

Estudo comprova que o sono dos pais só volta ao normal após 6 anos do nascimento do filho